Bem-vindos ao Gal Gadot Brasil, sua fonte brasileira de notícias sobre a atriz Gal Gadot. Aqui você encontrará uma variedade de notícias traduzidas, fotos, informações sobre projetos e muito mais. Não deixe de nos acompanhar nas redes sociais para continuar se mantendo atualizado. Visite também a nossa galeria de fotos para ter acesso a imagens em alta qualidade da Gal. Somos um site sem fins lucrativos, não-oficial e sem qualquer afiliação à Gal ou qualquer pessoa associada a ela. Todos os vídeos e fotos pertencem aos seus respectivos donos, a não ser que seja informado o contrário. Agradecemos a sua visita e esperamos que volte sempre.

Gal Gadot estampa, pela primeira vez, a capa da revista Vanity Fair no mês de novembro e fala sobre sua carreira, sua família, Mulher-Maravilha 1984 e mais. Confira abaixo!

Três anos atrás, Gal Gadot abalou o mundo como a Mulher-Maravilha. Na sequência, ela volta para chutar mais traseiros em nome do feminismo.

Por Nancy Jo Sales
Fotografia por Dudi Hasson
Estilo por Noa Rennert

Gal Gadot está relaxando no pátio dos fundos de sua casa em Tel Aviv. Este espaço ao ar livre, cercado por um muro de pedra e árvores pendentes, é onde ela diz que gosta de passar um tempinho “comigo” depois que suas filhas, Alma, de oito anos, e Maya, de três, adormecem. No ano passado, quando Gadot e seu marido, Jaron Varsano, pensaram que Alma tinha idade suficiente, eles mostraram a ela o filme que fez de sua mãe uma estrela: Mulher-Maravilha.

“Ela estava muito animada”, diz Gadot, “mas também não conseguia deixar de ver Ima” – mãe em hebraico – “lutando contra os bandidos. Ela disse, ‘eu não consigo assistir! Apenas siga em frente!’ Ela não conseguia suportar. Então, pulamos as partes assustadoras. Mas o resto ela amou e tem orgulho disso.”

Alma não é fã da Bela Adormecida, no entanto. “Ela disse: ‘Não gosto da Bela Adormecida’”, diz Gadot, “e perguntei por quê – porque é uma princesa da Disney; quem não gosta de uma princesa da Disney? E ela disse: ‘Porque tudo que ela faz é adormecer e o príncipe vem e a beija e então é o fim. Ela não fez nada’, disse ela. E Jaron e eu estávamos olhando para ela, e ficamos tipo, que perspectiva saudável. E é tão verdade – ela não fez nada.”

Me lembro de quando fui ver a Mulher-Maravilha no cinema em Nova York logo após sua estreia, em junho de 2017, com todos os gritos e aplausos das mulheres e meninas na plateia. A certa altura, uma mulher sentada ao meu lado agarrou minha mão em uma demonstração espontânea de irmandade. Logo surgiram relatos de reações semelhantes ocorrendo em todo o país e no mundo: o público batendo palmas, chorando, vestindo suas pulseiras de apresentação e empunhando seus laços de ouro em público e nas redes sociais. Uma postagem viral no Tumblr de uma professora do jardim de infância (que Gadot retuitou) relatou uma lista de coisas inspiradoras que aconteceram em sua sala de aula desde o lançamento do filme: meninos e meninas querendo imitar a força e a bondade da Mulher-Maravilha e salvar o mundo, como ela fez.

A Mulher-Maravilha foi um fenômeno. Vindo, como veio, meses após a eleição de um declarado sexista para a presidência dos Estados Unidos, parecia um bálsamo. E Gadot parecia a encarnação perfeita de uma amada super-heroína, chegando a tempo para uma onda feminista (seu primeiro nome, Gal, na verdade significa onda em hebraico), iniciada pela histórica Marcha Internacional das Mulheres em janeiro de 2017.

Hoje, com Mulher-Maravilha 1984 marcada para chegar aos cinemas em dezembro, Gadot está animada para que o público acompanhe o próximo episódio da história da Mulher-Maravilha. “Acho que o primeiro filme foi o nascimento de um herói”, diz ela, falando comigo pelo Zoom, “e desta vez queríamos ir mais fundo de uma forma. É mais sobre o perigo da ganância, e acho que é muito relevante para a era em que vivemos hoje. Parece que todos estão em uma corrida por mais, e quando você consegue o que deseja, há uma nova barra – e qual é o preço? E nós nos perdemos nesta maratona louca?”

Ela está usando um vestido preto sem mangas Helmut Lang com uma gola assimétrica, brincos de diamante, sem maquiagem. Em uma conversa abordando temas feministas, é difícil saber como, ou se, dizer o quão bonita ela é. Ela não parece muito interessada nisso. Na adolescência, ela trabalhou no Burger King em vez de aceitar os empregos de modelo que estava sendo oferecido. Ela ficou chocada quando ganhou o concurso de Miss Israel em 2004 (sua mãe e uma amiga a inscreveram por capricho) e decidiu que concursos de beleza não eram para ela. Ela participou do concurso Miss Universo em 2004, ela disse em entrevistas, que não cooperou e vestiu roupas horríveis.

“Oh, meu Deus,” ela diz, rindo, quando eu toco no assunto. “Paula Abdul foi uma das juradas, e ela me perguntou algo e eu fiquei tipo” – intensificando seu sotaque israelense enfumaçado – “‘Eu não falo inglês, desculpe.’ Fiz de tudo para ter certeza de que não iria ganhar.”

Na cena de abertura de Mulher-Maravilha 1984, a versão infantil da princesa guerreira Diana Prince (interpretada por Lilly Aspell, de 12 anos, uma saltadora premiada na vida real) se envolve em uma longa competição física, uma espécie de Olimpíadas amazonas. Isso acontece em Themyscira, a ilha mágica e cidade-estado de mulheres onde nasceu. É uma sequência deslumbrante de uma perspectiva técnica, com muitos feitos aparentemente impossíveis executados em grande escala, mas o que fica com você é o puro atletismo por parte de uma menina de aparência muito determinada.

“Sempre que vejo essa parte do filme, fico chorando – como lágrimas boas e animadas”, diz Gadot (pronuncia-se “Ga-dot”), que tem 35 anos. “Uma das maiores coisas em que acredito é que você pode apenas sonhar em se tornar alguém ou algo depois de ver isso visualmente. E os meninos – sorte deles – puderam vivenciar, desde o começo dos filmes, que eram os protagonistas, eram os fortes, salvavam o dia.”

“Mas não conseguimos essa representação”, diz ela. “E eu acho que é tão importante – e é claro que é ultra importante para mim porque sou mãe de duas meninas – mostrar a elas o potencial do que elas podem ser. E não significa necessariamente que elas tenham que ser atléticas ou fisicamente fortes – isso também – mas que elas podem ser maiores que a vida.”

Ela fala sobre a necessidade da educação; ela me conta sobre “uma coisa horrível que aconteceu a uma garota de 16 anos que foi estuprada por vários homens em Israel”, na cidade turística de Eilat, no Mar Vermelho, em agosto. “Como é que havia vários homens na sala, e ninguém estava tipo, ‘Ei pessoal, isso está errado, pare, alguém chame a polícia?’” ela pergunta. “Temos que nos servir de modelo para nossos filhos e temos que educá-los para a igualdade. Ainda há um longo caminho a percorrer porque ainda não existe uma verdadeira igualdade. Se concentrarmos nossos recursos nesse tipo de coisa, uma mudança real acontecerá.”

Ela sorri. Ela sorri muito. “Espero que não tenha sido um grande discurso”, acrescenta ela.

“Nunca conheci ninguém que tivesse tantos dons – de beleza, inteligência e força – e fosse tão bom”, diz Patty Jenkins, diretora de Mulher-Maravilha 1984 e Mulher-Maravilha de 2017, que foi o filme de maior bilheteria de um diretora mulher, ganhando mais de $ 820 milhões em todo o mundo.

O sucesso do primeiro filme da Mulher-Maravilha – pelo qual Gadot recebeu apenas US $ 300.000, um valor que causou indignação em alguns, pois empalideceu em comparação com o que muitas estrelas de ação masculinas levam para casa – ajudou a catapultá-la para a lista das mais bem pagas atrizes em Hollywood. Para a Mulher-Maravilha 1984, ela supostamente ganhou US $ 10 milhões – uma grande soma que ainda é menos da metade do que algumas estrelas de ação masculinas ganham, mais um sinal de que em Hollywood, como em outros lugares, a disparidade salarial entre gêneros ainda tem um longo caminho a percorrer.

“Gal é alguém cujo foco principal é fazer o bem com sua personagem, e isso é uma coisa tão especial, ter uma Mulher-Maravilha como essa”, diz Jenkins, que chama Gadot de sua melhor amiga. “Ela não está procurando por glória ou fama – ela está sempre perguntando: O que podemos fazer com isso que será bom para o mundo?”

Quando enviei um e-mail a Chris Pine, que interpreta o interesse amoroso da Mulher-Maravilha, o oficial de inteligência Steve Trevor, em ambos os filmes, perguntando por que ele achava que o público abraçou Gadot tanto no papel, ele respondeu: “Meu entendimento da Mulher-Maravilha é que ela é amor encarnado: feroz, forte, compassiva e intransigente. Essa é a Gal.”

Gadot cresceu em Rosh Ha’ayin, uma pequena cidade no centro de Israel que um amigo meu israelense descreve como sendo “como um típico subúrbio de classe média da Califórnia”. Seu pai, Michael, era engenheiro, e sua mãe, Irit, era professora de ginástica que ensinava esportes a Gadot e sua irmã mais nova, Dana, insistindo que elas corressem do lado de fora em vez de ficar em casa e assistir televisão.

Você pode imaginar Gadot sendo muito parecida com aquela garotinha ativa na abertura de Mulher-Maravilha 1984, correndo, pulando, preparando-se física e mentalmente para seu futuro. Seu próprio atletismo pode ser visto em ambos os filmes da Mulher-Maravilha, nos quais ela realiza muitas de suas próprias acrobacias. “Tentamos evitar ao máximo usar CGI nas lutas”, diz ela. Um dos momentos mais extraordinários de Mulher-Maravilha 1984 envolve uma cena em que ela luta contra vários bandidos com seu laço dourado enquanto dá um chute alto, que consegue ser durão e elegante.

Após o colegial, Gadot passou dois anos cumprindo seu serviço obrigatório nas Forças de Defesa de Israel, onde foi instrutora de preparação física e combate, antes de entrar na faculdade. (Ela tem sido frequentemente criticada por seu serviço nas FDI, bem como por uma postagem no Facebook apoiando as tropas durante os ataques aéreos do exército israelense a Gaza em 2014.)

“Eu vim de uma casa onde ser atriz nem era uma opção”, ela me conta. “Sempre adorei as artes e era dançarina e adorava cinema, mas ser atriz nunca foi uma discussão. Meus pais diziam, você precisa se formar na universidade e se formar.” Ela planejava se tornar advogada.

Mas “dadadada”, como ela costuma dizer sempre que encobre detalhes complicados ou desnecessários (como algumas passagens em programas de TV israelenses), ela foi escalada como Gisele Yashar, a especialista em armas em Velozes e Furiosos de 2009, e portanto sua carreira em Hollywood começou.

“Jaron”, seu marido, “foi quem disse: Você pode fazer o que quiser”, diz ela. “Foi ele quem realmente me deu forças para seguir este sonho.”

Gadot conheceu Varsano em um retiro de ioga e “festa muito estranha” no deserto israelense em 2006, quando ela tinha 20 e ele 30; ambos foram convidados por amigos em comum. Eles se deram bem imediatamente e começaram a namorar. “Em nosso segundo encontro, ele anunciou, vou terminar com todas as outras garotas que costumava sair e vou pedir que você se case comigo em dois anos, e ele fez – um homem de palavra”, Gadot diz, sorrindo. Em 2008, eles se casaram em uma pequena cerimônia em Tel Aviv.

Conectar-se com ele provou ser um momento decisivo em sua vida pessoal e, de certa forma, em sua carreira incipiente. Ela encontrou um unicórnio: um homem verdadeiramente feminista. “Somos realmente, igualmente parceiros”, diz ela. “Temos um grupo de amigos aqui e todas as esposas têm carreiras, e sempre brincamos que os maridos são o ‘novo homem’ – muito envolvidos com a casa e em cuidar dos filhos e tudo mais. Jaron é literalmente o vento sob minhas asas.”

Você pode perdoá-la, talvez, por ser efusiva; afinal, ele é o tipo de cara que homenageou o Dia Internacional da Mulher em 2018 postando no Instagram: “Tenho muita sorte de ser casado com uma mulher forte e independente. Eu aprendo com ela diariamente, ela me fortalece e me ajuda a me tornar uma versão melhor de mim mesmo. Nosso relacionamento é baseado na igualdade e respeito mútuo. Seus objetivos são tão importantes quanto os meus. Os sonhos dela são tão importantes quanto os meus.”

Mas o mais importante, de acordo com Gadot, Varsano faz o que dizem. Ele a apoiou em seguir sua carreira à medida que crescia e exigia cada vez mais, diz ela, encorajando-a a continuar trabalhando durante a criação de duas filhas, mesmo quando ela própria ficou insegura sobre como faria malabarismos para ser mãe e todas as suas oportunidades profissionais. Quando ela ficou ansiosa com a ideia de viajar para os sets de filmagem com Alma, sua primogênita, foi Varsano quem a tranquilizou de que tudo funcionaria.

“Viajamos juntos”, diz Gadot. “Nós somos a família do circo. Eu amo o que faço, mas acima de tudo é minha família e não vou viajar por longos períodos de tempo sem eles.”

Ela diz que ser mãe é “a melhor coisa que já fiz, o projeto da minha vida.” Quando pergunto que tipo de mãe ela é, ela sorri e diz: “Eu sou todos os tipos de mães. Depende de quantos dias você está perguntando. Estou muito conectada a elas e sou muito afetuosa, e me certifico de manter os canais de comunicação abertos e sempre falamos sobre sentimentos e coisas assim. E então às vezes eu as deixo ir e não as interrompo porque aprendi que quando você está muito envolvida, você pode realmente criar problemas.”

“Às vezes posso ficar histérica”, diz ela. “Eu posso ser idiota. Nós rimos muito. Posso ter muita paciência, mas quando eu perco, não é ótimo.” Ela ri. “Eu acho que toda mãe pode se identificar com isso, que depois que você tem um bebê, você recebe um grande saco de culpa, que é algo com que estou lidando o tempo todo. Mas percebi que só posso tentar ser a melhor versão de mãe que posso ser. Então, eu apenas tento fazer o meu melhor e dar a elas tudo que posso.”

Suas filhas sabem que ela interpreta a Mulher-Maravilha, é claro, mas “não é como um problema em nossa casa”, diz ela. “Eu sou a mãe que as incomoda e pede que façam coisas e as acorda de manhã. Sempre que eu pego uma Barbie [Mulher-Maravilha], elas ficam animadas com isso e brincam um pouco com ela, mas elas não estão obcecados com a ideia de que eu sou a Mulher-Maravilha.”

Em Mulher-Maravilha 1984, filmado em Londres, Washington, D.C. e partes da Espanha, Mulher-Maravilha faz muito, incluindo lutar contra seu inimigo, Mulher Leopardo, interpretada por Kristen Wiig. Os personagens começam como colegas e amigas, quando Mulher leopardo ainda é apenas a desajeitada geóloga Barbara Minerva, que ainda não se transformou em seu alter ego maligno. A cena em que elas se conheceram, no Smithsonian Institution, é notável pela atitude acolhedora de Diana Prince com sua colega cientista; parece mais um momento de poder feminino, mostrando a abertura e a vulnerabilidade de Gadot na tela.

“Gal foi um tremendo talento desde o início, mas devo dizer que suas habilidades de atuação explodiram”, diz Jenkins. “Ela é apenas uma das melhores atrizes que trabalham agora. Lembro-me de quando ela dobrou a esquina [naquela cena] e entrou, havia uma complexidade de calor e generosidade em seu rosto. Eu estava olhando para ela e pensando: Uau, ela é tão deslumbrante – é como se ela saísse de um gibi, direto da página, como se você não pudesse imaginar nada mais bonito – e ainda assim ela exala essa sabedoria complexa.”

Annette Bening, que coestrela com Gadot em Morte no Nilo, dirigido por Kenneth Branagh, concorda que Gadot tem um talento de atuação inexplorado e pouco discutido. “Ela se tornou uma estrela por causa de Mulher-Maravilha, mas é uma atriz muito boa”, diz Bening. “Claro que a Mulher-Maravilha é muito encantadora e tem toda a força, mas Gal também tem muitas outras coisas nela e é capaz de fazer muitos papéis diferentes, o que tenho certeza que ela fará. Quando alguém é tão bonito, as pessoas muitas vezes os subestimam, especialmente quando é uma mulher; as pessoas não conseguem conceber que podem ser tão inteligentes assim e ficam com inveja e são competitivas.”

Em Morte no Nilo, que estreia em dezembro, Gadot interpreta a mais glamorosa femme fatale de Agatha Christie, Linnet Ridgeway Doyle. O filme é uma fuga suntuosa, filmado na Inglaterra e no Egito. “Eles fizeram um trabalho tão bom nos cenários e nos figurinos que você literalmente se sente como se fosse uma mulher dos anos 40”, diz Gadot, que aparece em uma sucessão de vestidos matadores, enfeitados com joias.

“Sou uma pessoa sociável”, diz Gadot. “Eu posso falar com uma parede. Eu quero aprender; Eu quero ouvir histórias. Então, para mim, trabalhar com tantas pessoas” – o grande elenco inclui Armie Hammer, Sophie Okonedo e Russel Brand – “foi maravilhoso, e provavelmente ainda mais delicioso porque as pessoas com quem trabalhei são amáveis, doces e charmosas. E eu tinha Annette [Bening] lá comigo, que eu já conhecia. Foi ela quem deu o empurrão a mim e a Jaron para começarmos a nossa produtora”, que se chama Pilot Wave.

O primeiro projeto da empresa, uma série para a Apple sobre Hedy Lamarr, vai estrelar Gadot como a linda atriz de Hollywood e um gênio científico que foi a pioneira na tecnologia que lançou as bases para WiFi, GPS e Bluetooth. “Ooh, Hedy Lamarr”, diz Bening quando menciono isso a ela. “Gal é perfeita para isso.”

Linda, talentosa, abençoada com duas filhas e um marido solidário – que é parceiro dela em projetos de sucesso, como o desenvolvimento do Varsano Hotel de Tel Aviv, que em 2015 Gadot e Varsano venderam ao bilionário russo-israelense Roman Abramovich por US $ 25 milhões – voando com todos em todo o mundo, fazendo grandes filmes com outras pessoas bonitas e talentosas… A vida de Gadot parece além de privilegiada. E, portanto, não é uma surpresa que a Internet se voltou contra ela depois que ela postou o agora infame vídeo dela e de outras celebridades cantando “Imagine”, de John Lennon, em março, numa época em que muitas pessoas, incluindo ela, iniciavam a quarentena devido a COVID-19.

Certamente é difícil sobreviver ao vídeo horrível e desafinado de dois minutos, que apresenta uma série de performances emocionantes de nomes como Wiig, Sarah Silverman, Natalie Portman e Will Ferrell, bem como alguns cantores de verdade como Sia e Norah Jones. E o momento estava certo – as pessoas estavam se sentindo desesperadas, com medo e precisando de recursos, não as celebridades arrulhando para elas de seus arredores luxuosos.

Mas foi realmente a causa do tipo de ódio que recebeu? Ou foi apenas a internet fazendo o que a internet faz? Foi realmente merecedor do discurso que obteve no New York Times, no qual o escritor musical Jon Caramanica escreveu: “Começa depois de um monólogo breve e banal de Gadot, que pode estar em bloqueio, mas cuja mente foi libertada, cara.”

Quando toco no assunto com Gadot, ela não se desculpa. “Às vezes, você sabe, você tenta fazer uma boa ação e simplesmente não é a boa ação certa”, diz ela com um sorriso e um encolher de ombros. “Eu não tinha nada além de boas intenções e veio do melhor lugar, e eu só queria enviar luz e amor para o mundo.”

“Comecei com alguns amigos e depois falei com Kristen [Wiig]”, diz ela. “Kristen é como a prefeita de Hollywood.” Ela ri. “Todo mundo a ama, e ela trouxe um monte de gente para o jogo. Mas sim, eu comecei, e só posso dizer que pretendia fazer algo bom e puro, e não transcendeu.”

Sua atitude de me aceitar como eu sou é revigorante, mas me pergunto como isso acontece em Hollywood, que é famosa por ser um lugar onde as pessoas raramente dizem o que realmente pensam. “Às vezes, isso pode me causar problemas”, diz ela. “Há algo que aprendi a dizer, que é: ‘Não discordo de você, mas’- basicamente, estou discordando de você.” Ela sorri novamente. “Então eu me adaptei. Acabei de chegar à conclusão: eu faço por mim, você por você. Prefiro que você não goste de mim neste momento do que não dizer a minha verdade.”

(Depois que a versão impressa desta história foi para a imprensa, a notícia de que Jenkins iria dirigir Gadot em um futuro projeto de Cleópatra gerou alguma reação contra o desacordo sobre a herança da rainha egípcia. Gadot, que está no set de filmagens de um novo projeto, não foi encontrada para comentar.)

Tiro uma foto dela na tela para ter certeza de me lembrar de como ela ficou durante nossa conversa. Nesta foto, ela está sorrindo o sorriso mais feliz que eu acho que já vi em alguém desde o início da pandemia. Eu me pergunto sobre aquele sorriso e como Gadot consegue permanecer tão feliz. Eu me pergunto se é porque ela parece tão ciente de como ela é sortuda.

A palavra sorte surge repetidamente enquanto conversamos. Gadot se sente sortuda, diz ela, por estar saudável e segura e com suas filhas durante a COVID-19. Ela se sente sortuda por ter sido escalada para o papel da Mulher-Maravilha e por fazer parte desse mundo, que ela diz parecer “como se você fosse uma grande família feliz vivendo em uma comuna; tem sido uma viagem incrível, incrível.” Ela se sente sortuda por ter Varsano como seu parceiro.

“Tenho sorte”, ela me diz. “Eu agradeço todas as manhãs. Na cultura judaica, há uma prece que você deve dizer toda vez que acordar de manhã para agradecer a Deus, você sabe, por mantê-lo vivo e dadadada.”

“Você diz ‘modeh ani’, o que significa ‘dou graças’”, diz ela. “Então, todas as manhãs, acordo, saio da cama e digo: ‘Obrigada por tudo, obrigada, obrigada, obrigada, obrigada.’” Ela fecha os olhos por um momento, como se repetisse a oração. novamente. “Nada deve ser considerado garantido.”

Abaixo um vídeo dos bastidores da sessão de fotos.

Todas as fotos estão em nossa galeria, confira!

Inicio > Scans de revistas | Magazine Scans > 2020 > Novembro – Vanity Fair (Estados Unidos)

Inicio > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > 2020 > Dudi Hasson – Vanity Fair

Durante sua passagem pelo Brasil, em dezembro de 2019, Gal Gadot concedeu uma entrevista à revista GQ do México, na qual ela fala sobre Mulher-Maravilha 1984 e sobre a luta das mulheres em Hollywood. Confira a tradução abaixo!

São primeiros dias de dezembro de 2019 e os raios de sol batem com toda a força em São Paulo, uma cidade com uma vibe particular: os acordes da bossa nova se misturam às construções impressionantes, enquanto a alegria brasileira se faz sentir as “ruas” e o vento que sopra nos fazem pensar que a qualquer momento vamos dar de cara com o mar, mesmo que esteja há centenas de quilômetros.

Quem vive no hemisfério norte tem uma associação na cabeça a respeito do mês de dezembro: frio, neve (em alguns casos) e árvore de natal ao pé da lareira. Nessas latitudes, tudo muda completamente. A decoração da estação deve dar conta do calor intenso que dá as boas-vindas ao verão. A notícia de um vírus potencialmente contagioso em algumas partes da Ásia parecia distante para a América na época, uma preocupação que ainda não havia chegado até nós. O fato é que, naquela época, São Paulo havia se tornado o epicentro e ponto de encontro de milhares de fãs de quadrinhos que vinham de diversos cantos da nação sul-americana (e até mesmo de fora de suas fronteiras.) para ser parte da CCXP, que reuniu nomes como Margot Robbie, Henry Cavill e Mark Hamill. Mas a cereja do bolo viria no último dia.

MEU ENCONTRO COM A MULHER MARAVILHOSA

A cidade está apenas começando a acordar de seu sono matinal de domingo. O carro que me leva direto ao Palácio Tangará (situado em uma extensa área verde em meio a toda a mata de asfalto) circula suavemente no trânsito de São Paulo, que tem uma das piores fama, mas desta vez, é uma exceção ao régua.
Assim que atravessamos a cerca que separa a propriedade, tudo se torna opulência à nossa volta, enquanto no horizonte, aos poucos, começa a surgir o resort, que realmente faz jus ao seu nome. O veículo preto para e um homem abre a porta do lado em que estou viajando.
“Bem-vindo”, ele me diz. Outro senhor, vestido com um terno preto, logo transforma a conversa em sua língua, o inglês: “Sr. Germán. Me siga por aqui”. O contexto é imbatível: sinto-me imerso em um filme em que tenho como missão conhecer uma princesa cujo objetivo principal é resgatar o mundo de qualquer mal. E assim é. Se por fora o hotel faz jus ao seu nome, por dentro é como pisar num verdadeiro palácio. Um elevador nos leva diretamente ao terceiro andar. “Está tudo pronto para a sua entrevista”, diz-me o homem de preto, e as expectativas aumentam. Um longo corredor com carpete carmesim se estende diante de nós assim que as portas do elevador se abrem. O cavalheiro assume a liderança e eu o sigo.

Caminhamos alguns metros e, de repente, ele para na frente de outra porta. “Um momento, por favor”, diz ele. Abre lentamente e fecha após entrar. Tenho pouco tempo para examinar as pinturas que decoram o longo corredor. “Pronto, Sr. Germán. A senhorita Gadot está esperando por você”, ele me garante.
A sala está perfeitamente iluminada graças a uma enorme janela que mostra a fascinante área verde que circunda o resort. A luz me cega por um momento. Tento focar minha visão e então a vejo vestida com um elegante vestido branco e seu cabelo preto contrastando com a roupa. Gal Gadot agradece o cartão-postal oferecido pelo terraço, mas assim que nos ouve entrar, ela vira a cabeça e sorri para nós.
Após as devidas apresentações, nos acomodamos ao redor de uma mesa. “Como o Brasil está tratando você?” Peço a ela que quebre um pouco o gelo.
“Surpreendente. Gostaria de dizer que conheço muito, mas não. Gostaria de sair ainda mais e curtir o dia lindo e a vitamina D que o sol nos dá”, diz ela com uma risada.

À noite, Gal será a encarregada de encerrar a edição de 2019 da CCXP, por isso, nos jornais e na televisão, sua visita ganha as manchetes. A expectativa para a Mulher-Maravilha 1984 foi crescendo com o passar dos dias, desde seu anúncio, principalmente após o sucesso que representou o primeiro filme, que chegou a ser considerado um dos indicados ao Oscar. E embora não tenha sido assim, foi colocado como um dos favoritos do público em 2017, dos amantes do Universo DC e, claro, dos fãs de quadrinhos.

“Esta sequência representou um desafio”, confessa a atriz israelense. “Foi um projeto muito ambicioso desde o início. Mesmo antes do início das filmagens, muitos nos disseram que não teríamos sucesso, mas Patty (Jenkins, a diretora) e eu respondemos que íamos fazer isso. Enfrentar tal fita envolve uma longa preparação, especialmente no nível do corpo. Depois disso, embarcamos em uma filmagem que durou oito meses sem interrupção. Foi uma filmagem muito longa e, acima de tudo, muito física, porque vocês devem saber que uma das coisas que fizemos foi criar um novo estilo para as cenas de luta”, conta Gal. “Antes de iniciar a produção, Patty e eu fomos com nossas crianças para ver o espetáculo do Cirque du Soleil e, ao final, concluímos que era assim que queríamos que Diana lutasse dessa vez. E assim fizemos, trabalhamos com coreógrafos e evitamos CGI tanto quanto possível, embora isso significasse mais tempo e mais complicações. Por isso, foi uma filmagem longa, que representou um desafio, sobretudo porque sou mãe de duas filhas, e conciliar maternidade e trabalho às vezes é difícil.”

Desde que Lynda Carter vestiu o traje icônico, a personagem tem sido uma referência para muitos. Mas agora que Gal assumiu o Laço da Verdade, e principalmente por causa dos tempos em que vivemos, a Mulher-Maravilha se estabeleceu como uma inspiração para crianças, mulheres e homens. Isso é algo que a atriz sabe muito bem. “Não considero isso leviano, especialmente porque tenho filhas e entendo a importância de bons exemplos. Acho que agora, a herança da Mulher-Maravilha é muito importante e sou grata por isso. Para mim, é vital divulgar sua filosofia para o mundo e, de muitas maneiras, é o que procuro inspirar. Seja uma boa pessoa, seja positivo, ame os outros, faça o bem. Fico muito feliz que esse personagem tenha muito impacto entre as pessoas”.

SOBRE FEMINISMO E SEXISMO EM HOLLYWOOD

Não é novidade para ninguém que Gal Gadot é um dos nomes que tem se envolvido com a luta feminista na Meca do Cinema e em todo o mundo, além de ter aderido às diversas causas pelas quais as mulheres levantaram suas vozes para exigirem condições de igualdade. “Acho que Hollywood não parou de ser sexista. Acredito que enquanto esse problema persistir, será porque não alcançamos o ponto de igualdade que desejamos. Será um caminho longo, sem dúvida, mas ao mesmo tempo, está surgindo essa força de novas diretoras que fizeram filmes fenomenais recentemente, como Alma Har’el com Honey Boy ou Greta Gerwig; uma onda feminina que começou a encontrar seu próprio caminho em Hollywood e que teve sucesso. Estou muito feliz com esse aspecto, porque quanto mais elas forem, melhor será”, diz Gadot.
Mas o que falta para atingir esse ponto esperado? “Ok, agora você está entrando em um negócio sério. Vou te dizer o que é, pelo menos para mim. Pode ser difícil, mas considero que o mundo foi orquestrado e projetado para os homens, porque eles eram a principal força de trabalho. As mulheres começaram a trabalhar durante a Segunda Guerra Mundial, quando tinham que ir para a luta. Foi então que as mulheres começaram a se envolver com o círculo de trabalho, mas os cavalheiros já faziam isso há algum tempo”, reflete. “Não sou o tipo de mulher que aponta para os homens e os culpa por tudo, porque não acho que seja culpa de ninguém em particular; no entanto, acho que levará tempo para corrigir algo que se arrasta por anos e criar um bom ambiente para as mulheres terem oportunidades e salários iguais. Além disso, isso levará a questões como #MeToo, com o qual é importante que outras representantes do gênero feminino em posições importantes falem sobre o assunto. O trem está indo na direção certa e avançando, mas ainda há um longo caminho a percorrer”, continua. “O que podemos fazer para apoiar essa ideia?”, Pergunto a ela. “Oh, é muito gentil da sua parte (risos). Primeiro, contrate mulheres e promova-as em seus espaços de trabalho. Dê a elas as mesmas oportunidades que dariam aos homens e também pague-as de forma justa.”

Alguns dias antes, durante a apresentação de Aves de Rapina na CCXP em São Paulo, Margot Robbie havia garantido que o feminismo não era só para mulheres, mas também envolvia homens, uma declaração que ganhou as manchetes em um país cujo presidente é caracterizado por seus comentários machistas. “Concordo totalmente com Margot, diz Gadot. “Eu sempre digo que se você não é feminista, é chauvinista (risos). Portanto, todo mundo deveria ser feminista. Recentemente, tenho sido muito questionada sobre o empoderamento feminino e de que forma este filme pode contribuir para isso, e o que posso dizer é que Mulher-Maravilha 1984 significa muito para as mulheres, significa muito para mim, significa muito para meninas, mas você não pode empoderar mulheres apenas para mulheres; você precisa educar homens e meninos. Por isso, filmes como este são universais e para todos, porque estamos juntos nisso; Não se trata de uma competição, mas de ser tudo para todos.”
O tempo de conversar com Gal Gadot sobre cinema e feminismo passa rápido. E embora eu queira continuar me aprofundando no assunto, uma garota de sua equipe nos interrompe para me avisar que a atriz deve ir embora, pois um grupo de jornalistas locais a espera no andar de baixo com quem ela se encontrará em uma entrevista coletiva. Gal se despede com o mesmo sorriso que me cumprimentou. “Se você tivesse a oportunidade, em quem você colocaria o Laço da Verdade?” Eu questiono enquanto levantamos de nossos assentos para aproveitar o último momento. “Talvez os políticos e certos líderes mundiais para ver se estão fazendo a coisa certa para a humanidade. São tantos que não consigo escolher um em particular.” E termina com uma risada que enche a sala inteira.

 

Abaixo vocês podem conferir os scans da revista em nossa galeria!

Outubro – GQ (México)

 

Gal Gadot estampa a capa da revista australiana Total Girl no mês de outubro e concedeu uma breve entrevista sobre seu trabalho como Mulher-Maravilha. Confira abaixo!

Por Emma Coiler

Oi Gal! Estamos tão entusiasmados com Mulher-Maravilha 1984. O que mais te anima no filme?
No primeiro filme, era sobre Diana encontrar seus poderes, mas desta vez… Nós a vemos em uma época diferente de sua vida. Eu não quero entregar nada – mas algo louco acontece que muda tudo.

Que lições você espera que as meninas possam aprender com um herói como Diana?
Para mim, é mostrar às meninas que elas são poderosas e fortes – que não precisam crescer pensando que quando ficarem mais velhas, precisam ser salvas… Mas que são inteligentes e fortes o suficiente para cuidar de si mesmos.

Seu personagem significa muito para garotas ao redor do mundo. Como é a sensação de ver garotas vestidas como a Mulher-Maravilha?
Não importa quantas vezes eu veja garotas vestidas como a Mulher-Maravilha, isso derrete meu coração todas as vezes.

Você também dublou Shank em WiFi Ralph: Quebrando a Internet. O que você mais ama em interpretar personagens fortes?
Não se trata apenas de interpretar personagens fortes, mas de interpretar personagens fortes que usam sua força para o bem. Bondade e ajudar os outros – essa é a verdadeira força.

No que você pensa quando precisa mostrar como Mulher-Maravilha (Diana) é durona?
Ela busca a paz, então quando ela tem que lutar é sempre por um bom motivo. Sempre foco no que é esse motivo que a torna uma guerreira.

Que conselho você daria para as meninas encontrarem sua própria Mulher-Maravilha interior?
Você não precisa se conformar, ser quem você é. Mulher-Maravilha tem tudo a ver com amor e compaixão, verdade, justiça e igualdade. Faça o melhor que puder e faça o que você acredita ser certo.

O filme tem tantas cenas de ação legais! Como foi o treinamento para o filme?
Minha mãe era professora de ginástica, então eu cresci sendo ativa e adoro isso. Algo que adorei fazer em Mulher-Maravilha é a luta de espadas – é incrível.

O que você gosta de fazer quando as câmeras não estão gravando?
Há muito trabalho de dublê e são dias longos, então eu sempre bebo muita água e como durante os intervalos. Procuro comer alimentos saudáveis ​​na maior parte do tempo, mas às vezes sejamos realistas, todos nós queremos um cheeseburger!

Se você pudesse ter qualquer um dos superpoderes da Mulher-Maravilha, qual seria e por quê?
Há algo sobre o laço da verdade – a honestidade é muito importante na vida.

Qual o melhor conselho que você já recebeu?
Seja persistente e nunca desista.

 

Outubro – Total Girl (Australia)

Gal Gadot estampa a capa da edição de agosto da revista espanhol Mujer Hoy e conta como é a experiência em interpretar a Mulher-Maravilha, sua carreira e sua família. Confira entrevista traduzida abaixo.

 

Por Tana OSHIMA

Falar com uma celebridade é, de certa forma, como cruzar a tela e chegar a um espaço onde o extraordinário se torna comum e, por isso mesmo, extraordinário novamente. Embora a era das divas do cinema tenha praticamente acabado, há atrizes que tornam mais fácil do que outras cruzar a fronteira nítida entre a privacidade de ferro e o domínio público da fama; aqueles que não hesitam em se apresentar como “seres normais”, talvez desejando realmente essa normalidade.

É o caso de Gal Gadot, a atriz israelense de 35 anos que se tornou famosa no mundo todo por seu papel de Mulher-Maravilha. E o que poderia ser melhor do que ser a Mulher-Maravilha, aquela super-heroína da DC Comics que nada mais é do que a filha de Zeus e da Rainha das Amazonas? Nada divo ou divino emana de Gadot ao falar com ela, apesar de ter se tornado, em apenas três anos, uma verdadeira estrela de Hollywood – em 2017, a primeira parte de Mulher-Maravilha bateu recordes de bilheteria e arrecadou 822 milhões de dólares. Sua proximidade é surpreendente, principalmente porque seu olhar, falar e gesticular são os de sua personagem, com aquela voz um tanto áspera e sorridente, inseparável (para sempre?) do caráter benevolente da semideusa grega.

Mas ela não se vê, ou é incapaz de se ver, pois o mundo inteiro a viu e continuará a vê-la através da tela. “É engraçado porque eu não penso nisso. Na verdade, às vezes, quando vejo o filme, tenho que me lembrar que sou eu”, diz a atriz israelense rindo.

Gal Gadot fez sua estreia como figura pública aos 18 anos, quando foi eleita Miss Israel. Ela já foi modelo, dançarina (balé, dança moderna, hip hop) e, antes disso, uma menina que passou uma infância idílica, segundo ela, cheia de inocência e brincadeiras ao ar livre. “Tive uma infância muito doce e feliz”, diz ela sem hesitar. Ainda não havia celulares e em casa eles não me deixavam assistir TV à tarde, então eu estava sempre brincando ao ar livre com meus amigos. Procuro dar às minhas filhas a infância que tive”. Ela não havia considerado atuar até que lhe foi oferecida a oportunidade de aparecer na série Bubot, em seu país natal, Israel. A transição dela foi “muito suave” de modelo para atriz, ela agora admite.

Seu primeiro papel em um filme americano veio em 2009, com a quarta parte da franquia Velozes e Furiosos (Fast and Furious). Ela fez isso, em parte, por causa de sua experiência com armas de fogo. Ela aprendeu a lidar com elas no exército (o serviço militar é obrigatório em Israel para homens e mulheres). Sua experiência no exército também lhe ensinou, diz ela, valores que a ajudaram em sua carreira de atriz. “O exército dá disciplina. Te ensina a perceber que não é sobre você, mas sobre o grupo, sobre a comunidade. Ensina a trabalhar em equipe”, reconhece.

Aquela primeira experiência internacional a fisgou completamente. “Acho que então percebi a dinâmica da filmagem e como é maravilhoso atuar. Eu sempre me apresentava para o público desde criança como dançarina, mas nunca pensei em ser atriz. Mas com Velozes e Furiosos percebi o quanto é divertido. Você atua, aprende o roteiro, viaja, conhece gente… Achei muito mais interessante do que estudar Direito [risos] e decidi que queria continuar tentando”. A tentativa, porém, foi mais difícil do que ela pensava, e levou vários anos para a atriz estrelar um filme americano.

O papel de Mulher-Maravilha (Diana de Themyscira) veio a ela quase por milagre, como se tivesse sido jogado nela pelo próprio Zeus do Olimpo. Poucos meses antes de ser confirmada, Gadot decidiu, desesperada e sem esperança, ou talvez aceitando calmamente seu destino, que ela nunca mais tentaria atuar em um filme fora de Israel. Com muitas rejeições atrás dela e castings que levaram a nada mais do que arrastar sua família de um lugar para outro, ela jogou a toalha logo após fazer o teste para estrelar um filme de super-herói, Mulher-Maravilha. “Quando voltei para o meu país, fiz com a certeza de que aquele filme não seria lançado. Nem é que ela tivesse aquela paixão que outras atrizes têm por atuação. Em vez disso, pensei: “Bem, retomo minha carreira em Direito Internacional e é isso”. Mas desta vez, a sorte ou os deuses estavam do lado deles.

Nos dois filmes da Mulher-Maravilha, a atriz aparece com os atributos físicos das super-heroínas dos quadrinhos: forte, ágil e sensual. O treinamento militar teve muito a ver com o seu condicionamento físico espetacular? “Sempre fui super atlética, por isso é difícil saber se o exército contribuíram para a minha preparação física ou não. Sempre fiz muito esporte; minha mãe era professora de educação física e, quando criança, eu jogava basquete, vôlei e tênis o tempo todo”.

O que ela precisava fazer era passar por um treinamento especial por cinco meses para se tornar a superpoderosa Diana de Themyscira – uma combinação de artes marciais, velocidade e exercícios cardiovasculares que a prepararam para se mover com agilidade surpreendente. Durante a filmagem de uma das cenas, a atriz teve que correr em alta velocidade enquanto era sacudida e desviava de obstáculos. “Foi incrível. Eles cortaram vários quilômetros da Avenida Pennsylvania [em Los Angeles] e eu tive que correr na velocidade de Usain Bolt. Foi exaustivo, mas valeu a pena, porque dá autenticidade ao filme”. Tentando correr na velocidade do homem mais rápido do planeta, mas logo após dar à luz sua segunda filha. Isso realmente soa como Mulher-Maravilha.

A atriz israelense, que se casou com o empresário Jaron Varsano há 12 anos, tem duas filhas, de nove e três anos. “No início deste ano, estabeleci como objetivo dar o meu melhor em casa e me sentir menos culpada pelo que não posso fazer. Sou uma mãe muito envolvida, sou muito próxima das minhas filhas e procuro sempre me certificar de ser a primeira pessoa que elas vêem de manhã e a última antes de dormir. Lembro-me de quando tive minha primeira filha, perguntei ao meu marido como íamos fazer [conciliar trabalho e família]. E ele me disse: “Faça o que quiser, mas pense também no exemplo que você quer dar à sua filha.” E isso teve um efeito muito profundo em mim. Quero que [minhas filhas] saibam que são capazes de fazer o que se propuseram, sem limites”, explica.

“Se há algo que eu aconselho a meninas que querem ser atrizes quando crescerem, é nunca levar a rejeição para o lado pessoal. É um dos motivos pelos quais não quero que minhas filhas continuem minha carreira”, diz Gadot. E parece que, apesar do sucesso finalmente ter chegado a ela, ela ainda tem o sabor amargo das derrotas sucessivas. “É difícil não levar para o lado pessoal quando você é julgado com base em como você age, mas realmente não é. E então eu recomendo que você tenha muita persistência. Se você quer algo, vá atrás. Se cair, levante-se e continue caminhando até chegar ao seu objetivo. Se lhe derem um papel, chegue preparado, chegue na hora, aprenda bem o roteiro. E, acima de tudo, divirta-se”, diz, deixando escapar uma gargalhada forte e contundente que se perde na luz dourada da tarde californiana.

Inicio > Scans de revistas | Magazine Scans > 2020 > Agosto – Mujer Hoy (Espanha)

 

Se não houver novas alterações, Mulher-Maravilha 1984 chegará aos cinemas brasileiros em 5 de novembro.

 

Com informações de Mujer Hoy.

Gal Gadot estampa, pela primeira vez, a capa da revista Vogue! Além de falar sobre sua vida, ela também conversou sobre Mulher-Maravilha 1984. Confira a matéria traduzida abaixo.

Gal Gadot sobre vida, amor, Mulher-Maravilha 1984 – e como ela e sua família estão lidando com a crise

Por Jonathan Van Meter

Esta história, relatada antes do COVID-19 começar a se estabelecer nos EUA, foi impressa à medida que profundas mudanças na vida cotidiana estavam sendo vistas em todo o país. Gal Gadot, como todos nós, foi afetada – a escola de suas filhas foi fechada, seus projetos colocados em espera, incluindo o lançamento em junho de Mulher-Maravilha 1984 (a partir de agora, foi adiado para 14 de agosto). Chegada a Los Angeles em meados de março com sua família, ela estava animada: “Obviamente as circunstâncias são horríveis e assustadoras, mas estamos em casa e estamos tentando tirar o melhor proveito possível – para aproveitar um tempo de qualidade. É tão surreal. Nunca passei por momentos como esses. Mas também tenho muita esperança de quando tudo isso passar.”

Gastar seu tempo com Gal Gadot é um exercício de tranquilidade. Ela é a cliente mais legal, tão imperturbável que você consegue um tipo de contato alto: as ansiedades se dissipam, as defesas caem, as tensões diminuem. No momento em que ela se dedica a uma vida agitada, com duas filhas, com grande carreira – manobrando sua elegante Tesla (brinquedos no chão, sanduíche meio comido no banco) pelos arredores do show business (Hollywood para Burbank para Beverly Hills e vice-versa) – ela consegue fazer parecer que está apenas vagando em uma tarde de domingo. De fato, parece errado impor qualquer tipo de agenda, algo tão tenso quanto uma entrevista. É um jeito, realmente.

Parte disso é a natureza – nascida assim -, mas Gadot é fundamentalmente uma criatura de seu ambiente. Ela cresceu em Rosh Haayin, uma cidade perto de Tel Aviv, mas viveu a maior parte de sua vida adulta com o marido entre amigos e familiares, a apenas alguns quarteirões da praia. Ela fala hebraico com eles, inglês para quase todo mundo. O inglês dela não é perfeito, mas íntimo, a fluência de tal forma que você pode ver as rodas girando enquanto ela procura as palavras certas – e descobre novas diante de seus olhos. Às vezes, ela tropeça em uma frase ou em um idioma, questiona-o e depois comete ou encontra o caminho certo.

É por isso que passar um tempo com ela parece escolher o caminho de um novo mundo, olhando todas as lindas flores. Uma manhã, depois de um treino, ainda com calças justas de Capri e um tanque solto, ela está dirigindo de sua academia para uma sessão de fotos no Montage Beverly Hills. “Sempre me sentirei estrangeira em Los Angeles”, ela me disse, e aceno com a cabeça, embora distraída com a nova experiência de deslizar silenciosamente pelas ruas de Los Angeles em sua Tesla. Há uma tela no meio do painel do tamanho de uma televisão, que parece uma extensão do para-brisa que desaparece em algum lugar atrás da sua cabeça, tudo conspira para criar a sensação de que estamos levitando.

“Eu amo este carro”, disse ela. “É como dirigir um iPhone”. De repente, um som profundo e de outro mundo – boop … boop … boop. Ela olha para a tela. “Só um segundo – essa é minha mãe em Israel, onde são 20:00, e esta é literalmente a única janela que tenho para falar com ela.” Ela toca a tela e fala em hebraico – uma mãe para outra. Você está bem? Como foi ontem? Não trabalhe demais. Vá com calma na próxima semana! “Ok, Ema”, diz ela, e elas mandam beijos um para a outra. É disso que ela sente falta. De muitas maneiras, o sucesso de Mulher-Maravilha encalhou Gadot em Los Angeles, a 15 horas de voo de casa. “Você não pode andar em qualquer lugar aqui”, diz ela, mas essa é a única reclamação que ela apresentará porque reclamar não é o estilo dela. Mas ela relata essa história, sobre como ela voltou de Israel recentemente e na viagem interminável de Los Angeles para sua casa em Hollywood Hills, sua filha de oito anos, Alma, disse: “Você sabe o que eu gosto da nossa casa em Israel? Tudo está a cinco minutos. Cinco minutos caminhando até o local do sorvete, cinco minutos para a praia, cinco minutos para a casa de nossos primos. E todos os nossos vizinhos são nossos amigos.” Gadot suspira melancolicamente. “Mas sempre há o que dar e receber. Como se diz em inglês? Coma o bolo e deixe-o inteiro? Coma o bolo e… Tem algo com um bolo.”

Você não pode ter tudo, eu diria.

“Exatamente.”

A vida em Los Angeles, antes de encontrar sua tribo e seu ritmo – mesmo (especialmente) para uma estrela de cinema recém-criada – pode ser alienante. Você mora no topo de uma daquelas colinas famosas com vista para o mundo – um sonho tornado realidade -, mas descer e voltar para uma caixa de leite pode demorar uma hora. Tudo deve ser planejado, uma estratégia e, para uma criatura espontânea como Gadot, pode ser constrangedor. E às vezes é surreal. Deixando a academia mais cedo, Gadot parou para conversar com uma mulher com longos cabelos loiros que parecia ter acabado de acordar e estava lentamente recebendo 10 minutos de cárdio antes do início do treino real. Era Adele, que eu não reconheci até que ela soltou uma dessas risadas. Eu a entrevistei anos atrás e, depois que descobrimos tudo, Gadot e eu ficamos ao lado dela enquanto ela pedalava, conversando sobre o tratamento da reportagem da capa da Vogue.

O encontro com Adele é um lembrete: na verdade, isso não é uma brincadeira com uma garota israelense legal. Gal Gadot é uma estrela internacional. Embora possa parecer que ela apareceu do nada, totalmente formada, no verão de 2017 como a estrela de Mulher-Maravilha, um sucesso instantâneo e sucesso de bilheteria que arrecadou mais de US$ 800 milhões em todo o mundo, Gadot está fazendo filmes há mais de uma década, principalmente como a personagem Gisele em quatro filmes da franquia Velozes & Furiosos. E, no entanto, toda a sua trajetória de carreira tem sido um acaso quase que não aconteceu. Aos 18 anos, venceu o concurso Miss Israel de 2004, competiu no Miss Universo naquele ano no Equador e cumpriu dois anos de serviço obrigatório nas Forças de Defesa de Israel como instrutora de ginástica. Ainda no exército, ela conheceu Jaron Varsano, um promotor imobiliário 10 anos mais velho, com quem se casou em 2008. Com seu serviço militar completo e tempo livre, ela se matriculou na faculdade de direito em Tel Aviv e e trabalhou como modelo. Um dia, um diretor de elenco entrou em contato com seu agente e pediu que ela fizesse um teste para o papel de Bond-girl em 007 – Quantum Of Solace. Ela não conseguiu o papel, mas a diretora de elenco se lembrou dela, e foi assim que ela acabou fazendo o teste para Velozes & Furiosos em 2009. Ela conseguiu esse papel porque o diretor, Justin Lin, ficou impressionado com o fato de conhecer o caminho de uma arma militar.

Andando de carro, digo que li que pouco antes da Mulher-Maravilha aparecer, Gadot estava tão infeliz com sua carreira que estava prestes a desistir e nunca mais voltar para Los Angeles. (Durante a conferência de imprensa de Mulher-Maravilha, ela disse a um repórter: “Você vai à audição e tem um retorno, depois outro retorno e depois uma teste de câmera, e as pessoas estão dizendo que sua vida mudará se você conseguir esse papel. E então cheguei a um lugar onde não queria mais fazer isso.” Então agora você é uma atriz que mora em Los Angeles, eu digo, como você se sente sobre isso?

“Somente… inércia.” Ela ri. “Você sabe, uma das pessoas que eu realmente admiro é Charlie Kaufman”, diz ela sobre o famoso roteirista, diretor e romancista. “Ele raramente dá entrevistas. Mas há um vídeo dele fazendo um discurso do BAFTA há alguns anos atrás, e eu não me lembro exatamente, mas a vibe é: você sabe, eu estou aqui, mas não sei o que estou fazendo aqui. Eu sou um escritor, eu acho. Mas nunca me refiro a um escritor, exceto quando estou preenchendo meus formulários fiscais. Mas você sabe, eu quero que você se importe com o que eu faço; Eu só não quero me preocupar com o que você pensa. E pensei: isso é tão interessante! Estamos vivendo em um mundo onde tudo é por títulos: você é um escritor; Eu sou uma atriz. Eu não quero que pareça muito como nova era – y… mas estamos sempre evoluindo e mudando, e a vida acontece e nos leva em direções diferentes. Sim, sou atriz, mas, ao mesmo tempo, tenho apetite para fazer mais – maior, mais profundo, mais interessante.”

Você se considera uma pessoa ambiciosa?

“Sim, sou bastante ambiciosa.” Ela faz uma pausa. “Eu não sou complicada… se você quis dizer isso. Mas eu acredito muito no karma, e se é meu, é meu, e se não é, não é. Eu não fico brigando por coisas. Mas quando estou lá, quando estou diante da oportunidade, estou completamente a bordo. Eu definitivamente me certifico de estar preparada, de fazer o trabalho, de chegar 100% e seguir em frente.”

Isso soa mais como consciência do que ambição, eu digo. Ela pensa por alguns segundos enquanto nos sentamos em um sinal vermelho e depois encontra outra maneira de explicar. “Quando me disseram que consegui o papel de Mulher-Maravilha, tinha acabado de desembarcar em Nova York e estava no aeroporto. E a primeira ligação que fiz foi para Jaron. E nós dois estávamos super felizes, gritando e gritando, e então eu disse a ele no final da conversa: ‘Depois de filmar o filme? Quero que tenhamos outro bebê.’ E então, quando cheguei em casa em Los Angeles, ele disse: ‘Esse foi um comentário tão interessante.’ E eu disse: ‘Por quê?’ E ele disse: ‘Você é engraçada porque, como, quanto mais alto você vai, mais…’ Imagina uma pipa, certo? Se flui muito bem? Meu instinto é amarrar a corda no chão. É difícil para mim traduzir, porque estávamos conversando em hebraico. Mas é como quanto mais bem-sucedida eu sou, mais quero plantar minhas raízes e garantir que tudo esteja equilibrado e ainda focado nas coisas importantes da vida, que, para mim, são a família.”

Na manhã seguinte, encontrei Gadot na escola da filha Maya. Enquanto procuro uma vaga de estacionamento em uma rua lateral, vejo Gadot a pé e abro a janela. “No momento ideal!” ela diz. Mesmo entre as mamães e papais elegantes de Los Angeles, ela corta uma figura glamourosa em seus jeans justos, casaco de camelo e enormes óculos de sol. A escola primária fica em um daqueles edifícios institucionais de meados do século comuns a Los Angeles – é difícil dizer onde termina o exterior e começa o interior. Nós nos encontramos em uma estrutura coberta de estacionamento ao ar livre, com uma série de sofás e uma estação de café que parece ser um local para babás e pais se reunirem enquanto deixam as crianças. Gadot está aqui para ler para a turma de três anos de idade de Maya e, com a ajuda da irmã de Maya, Alma, decorar cupcakes. “Nossa, que manhã!” ela diz enquanto pega um café e nos sentamos em um dos sofás. “Deixei o livro que deveria ler em casa, então Jaron está trazendo”.

Para que você não pense que as cenas da cultura de ensino fundamental de Big Little Lies da California se voltam para a paródia, estou aqui para dizer exatamente o contrário: elas estão mais próximas das imagens dos documentários. Indo para a sala de aula Borboleta da Maya, passamos por um corredor ao ar livre com academias na selva e áreas de lazer que parecem instalações de arte. Na sala de aula, há uma dúzia de crianças e um professor surpreendentemente exuberante vestindo uma camiseta da Frozen, uma jaqueta azul de lantejoulas, tênis rosa-claro e uma faixa com orelhas de rato, que nunca sai do personagem, mesmo quando fala com os adultos. A certa altura, uma mãe e um pai casuais chegam a tarde com o filho. A mãe conversa com Gadot sobre a possibilidade aterrorizante de festas de aniversário no mesmo dia. “O aniversário dele é no dia 22”, diz ela. “Estamos fazendo isso naquela tarde. Mas nossos tempos não entram em conflito, então acho que teremos uma boa participação da Borboleta.”

Está dizendo algo que Gadot – soldado/modelo/estrela de cinema de Tel Aviv – é a pessoa com aparência mais simples na sala. Quando ela tira a jaqueta e se senta para ler o livro para as crianças, percebo pela primeira vez que seu cabelo está em um rabo de cavalo emaranhado e que seu suéter de cashmere azul safira parece ter sido puxado para fora do cesto logo antes dela sair correndo pela manhã. O professor reúne as crianças em formação e todos se sentam no chão, incluindo Gadot. O livro que ela escolheu é sobre bondade e, quando ela começa a ler – totalmente comprometida, encenando todas as partes -, as crianças, por exemplo, deslizam para aquele estupor contente, encantado e vidrado, pendurado em cada palavra. Muito jovens para entender quem ela é – além da mãe de Maya -, eles sucumbem à mágica da transferência que grandes estrelas do cinema inspiram. Uma coisa para se ver!

Adultos de todas as esferas da vida estão sob o feitiço de Gal Gadot há anos. Kristen Wiig, co-estrela de Gadot em Mulher-Maravilha 1984, a conheceu no Governors Ball em Los Angeles, há alguns anos. “Ela entra em uma sala e você fica tipo, ‘Hum, essa pessoa é real?’ Mas ela é tão esquisita da melhor maneira. E tão gentil, uma amiga tão leal e bonita. Quero dizer, as mensagens de texto e voz que ela envia me fazem rir tanto. São o destaque do meu dia.”

Patty Jenkins, que dirigiu os dois filmes da Mulher-Maravilha, me diz que homens, mulheres e crianças se aproximam dela com o que eles acham que é o seu pequeno segredo: eu estou apaixonada por Gal. “Tão encantado com ela”, diz ela. “Apaixonado à distância. E digo constantemente a todos: ‘Aqui está a coisa chocante: só fica mais forte quando você a conhece’. Você esquece completamente que ela é uma estrela de cinema.”

Uma tarde, telefonei para duas das melhores amigas de Gal em Tel Aviv: Yael Goldman, modelo e apresentadora de TV, mãe de três filhos, e Meital Weinberg Adar, que tem dois filhos e é dona de uma agência criativa de branding. “Eu estava modelando e ela estava modelando”, diz Yael, “e ela tinha acabado de fazer o primeiro Velozes & Furiosos. Eu estava parada na rua; ela parou o carro , buzinou e disse: ‘Hey, Yael! Me dê seu número!’ Na verdade, ela deu em cima de mim. Essa é a verdade.”

“Ela deu em cima de mim também!” disse Meital. “Isso é coisa dela. Eu sou a namorada dela”, e as duas riem. “Quando a conheci”, ela continua, “eu ainda estava tentando ser adulta – sou tão sofisticada, blá, blá, blá. Todas as minhas barreiras levantadas. E Gal apenas entrou e derreteu tudo. Normalmente você cresce e percebe lentamente que precisa ser bom, agradável e confortável com as pessoas e o mundo inteiro se abre para você, mas leva tempo para aprender isso. Mas de alguma forma Gal apenas tem dentro dela. Ela é muito pura e clara com suas intenções. Ela te ama sem esperar por um sinal de que você a ame.”

Enquanto percorremos Los Angeles no Hovercraft de Gadot, ela recebe uma ligação – essa do marido, Jaron. Ela responde com o termo israelense comum de carinho que não tem tradução para o inglês, mas soa como Mommy. Eles conversam calorosamente em hebraico sobre seus horários, e depois pergunto como os dois se conheceram.

“No deserto, neste tipo de festa de retiro de chakra/ioga. E ele era legal demais para a escola. Tipo, estávamos no mesmo grupo de amigos, mas eu não o conhecia e ele não me conhecia. E algo aconteceu desde o primeiro momento em que começamos a conversar. Quando chegamos em casa, eu fiquei tipo: ‘É muito cedo para ligar para você? Quero ter um encontro’. Depois saímos e, no segundo encontro, ele me disse: ‘Vou me casar com você. Vou esperar por dois anos, mas vamos nos casar.’ Eu estava tipo, ‘Tudo bem’.”

Jaron se lembra mais detalhadamente. “Estávamos em um laboratório único – um retiro no deserto no sul de Israel. E eu e ela estávamos em um estágio de nossas vidas em que estávamos pensando sobre o que é amor e o que é um relacionamento. Começamos a conversar às 22h, nos beijamos ao nascer do sol e de mãos dadas no caminho de volta a Tel Aviv. Naquele momento, estávamos colados. Foi bonito.”

Gadot diz que sempre soube que queria ser uma mãe jovem – e para onde vai, a família também vai. Alma também está matriculada em uma escola em Londres porque Gadot filmou três filmes lá nos últimos anos, incluindo Morte No Nilo, que será lançado ainda este ano. O diretor, Kenneth Branagh, disse: “Tenho a sensação de que ela se sente muito segura em sua vida familiar: ela sabe o que são, quem são e que estão com ela. E acho que isso permite que ela seja aventureira em seu trabalho e também à vontade em seu trabalho. Ela é uma pessoa séria, por isso sabe que o mundo é um lugar complicado e desafiador de tempos em tempos, mas existe um senso contínuo de diversão sobre ela, e parece sair da fonte da família. Ela está determinada a cheirar as rosas ao longo do caminho, e isso a torna uma energia excepcionalmente positiva para ter por perto.”

Após a visita à escola de sua filha, Gadot nos leva ao San Vicente Bungalows, o mais novo clube exclusivo para membros de Hollywood. Existem muitas regras tolas aqui, incluindo a proibição de telefones com câmera, o que requer um ritual elaborado de confisco temporário de telefones para não-membros, para que eles possam ser cobertos com pequenos adesivos bonitos, destinados a desativar a câmera e o microfone.

Felizmente, o lugar é como um sonho, dolorosamente romântico, com flores e trepadeiras e guarda-chuvas listrados de verde e branco. De fato, parece o tipo de local que você pode encontrar ao longo da praia em Tel Aviv. “Entende?” ela diz quando nos sentamos. “É como se estivéssemos tendo um encontro. E é o dia dos namorados!”

Ouvi de um amigo que Gadot, seu marido e seu irmão, Guy, possuíam o hotel mais chique de Tel Aviv e que eles o venderam recentemente ao oligarca russo Roman Abramovich. Sim, disse Gadot. “Quando conheci Jaron, ele e Guy estavam morando na primeira casa que foi construída em Tel Aviv. É uma mansão enorme e bonita, com pisos e arcos pintados e tetos altos, mas estava em um estado péssimo.” Tornou-se o Varsano Hotel. “Literalmente, a 30 segundos a pé de onde eu e Jaron morávamos”, ela disse. “Nós estávamos indo para o hotel o tempo todo. Foi divertido.”

Três anos atrás, Jaron vendeu todo o seu portfólio imobiliário, incluindo o hotel, e ele e Gadot se mudaram para Los Angeles quando ela estava grávida de cinco meses de Maya. Agora Jaron era o que estava em falta, e Gal lhe disse: “Você é um desenvolvedor. Desenvolver filmes.” E então uma noite eles jantaram com Annette Bening, que incentivou os dois. “Vocês dois pensam e falam tão bem sobre fazer filmes”, disse ela. “Vá e encontre projetos incríveis.” Agora eles são parceiros de uma empresa de produção ambiciosa, a Pilot Wave, com 14 desses projetos em várias etapas de desenvolvimento.

O mais intrigante (e primeiro) é uma série baseada no livro Hedy Lamarr: The Most Beautiful Woman in Film, sobre uma estrela de uma época mais glamourosa em que este lugar se volta, com trilha sonora de Tommy Dorsey e serviço de mesa arrumado. Lamarr nasceu na Áustria e teve uma breve carreira na Tchecoslováquia antes de fugir para Paris e depois para Londres, onde foi descoberta por Louis B. Mayer, que lhe concedeu um contrato de cinema em Hollywood. Gadot, cuja família da mãe é tcheca e polonesa e de seu pai austríaca, russa e alemã, parece ser a pessoa perfeita para interpretar Lamarr.

Portanto, não demorará muito tempo para que Gal Gadot seja libertada, finalmente, das restrições e da gama limitada de franquias de perseguição de carros e sucessos de quadrinhos. Mas, primeiro, Mulher-Maravilha 1984, que eu assisti a cerca de meia hora, sob supervisão no lote da Warner Bros. Além de lhe dizer que é uma experiência abrangente e visualmente deslumbrante (e bastante barulhenta), admito que não tenho absolutamente nenhuma ideia do que se trata, exceto em dizer que se passa em 1984 (ano antes de Gadot nascer), tem uma trilha sonora emocionante do New Wave e apresenta um cara oleaginoso que pode lembrá-lo de Donald Trump em seus dias de saladas dos anos 80, muito mais inofensivos. Nem Jenkins nem Gadot revelariam um único ponto da trama. “Ninguém sabe muito sobre o filme”, diz Wiig, “o que é uma loucura hoje em dia. É incrível que nada tenha vazado. Tudo o que você recebe da Warner Bros. é meio criptografado, tipo, seu computador vai explodir se você abrir isso.”

Parte do motivo da liberação de segurança de nível superior no projeto é que o efeito de Mulher-Maravilha foi enorme – especialmente para Jenkins e Gadot. “Isso mudou completamente minha vida”, disse Gadot. “De alguma forma, saiu em um momento em que as pessoas estavam realmente desejando isso. Isso causou impacto. Patty e eu tivemos muita sorte, eu diria, que o filme foi recebido do jeito que foi e foi lançado na época em que foi, e acho que nós, mesmo sem saber conscientemente, marcamos muitas caixas certas. Porque estava no nosso DNA – não precisávamos pensar muito sobre isso. Éramos duas mulheres que se importavam com algo, e isso acabou no DNA do filme.”

“Sinto falta de ótimos filmes de grande sucesso que têm tudo o que você procura nas salas de cinema”, diz Jenkins. “Como humor, drama e romance… mas também peso e significado da narrativa. Então é isso. Eu pretendia fazer algo grande e grandioso, mas muito detalhado e minucioso. Mas também acho que a Mulher-Maravilha representa algo bastante incrível no mundo, então não vou dizer nada sobre o enredo, mas ela é uma deusa que acredita na melhoria da humanidade. Ela não está apenas derrotando bandidos – e isso tem muita ressonância com os tempos em que vivemos agora.”

Enquanto Gadot e eu estamos terminando nossos sanduíches de ovos, o lugar começa a se encher com a multidão do almoço, e eu começo a olhar em volta para ver se há alguém notável. Começamos a conversar sobre a linha tênue entre admirar alguém de longe e ser surpreendido. Por incrível que pareça, concordamos que nós dois ficaríamos nervosamente empolgados se Barbra Streisand entrasse. Você deve ter um monte de garotas que ficam loucas por você, digo.

“Sim, isso acontece muito”, diz ela. “Praticamente constantemente. Meus amigos me perguntam: ‘Você não se cansa disso? Esse é o seu tempo, espaço e privacidade. Você não é o personagem.'” É verdade: no momento, a Mulher-Maravilha é mais famosa do que a atriz que a interpreta. E as meninas, pelo menos por enquanto, ficam impressionadas não porque conheceram Gadot, mas porque esbarraram em Diana Prince, a semideusa olímpica da Amazônia. “Elas se importam”, diz Gadot. “Isso teve um efeito nelas; isso significava algo para elas. E só por isso, eu me importo com elas e quero ouvir o que elas têm a dizer. Muitas vezes, trata-se de um efeito profundo que teve na vida delas. Normalmente, isso as levou a fazer uma mudança, a fazer algo que nunca fariam, a ser corajosa.”

Um mês depois, em uma tarde em meados de março, Gadot me chama para falar sobre a nova realidade em que estamos vivendo. Praticamente todo mundo está em casa; O próximo filme de Gadot, da Netflix, Red Notice, que ela estava filmando em Los Angeles com Ryan Reynolds e Dwayne Johnson, foi colocado em hiatus. Seus pais em Israel cancelaram sua visita à Páscoa, planejada há muito tempo, que também deveria ser uma comemoração de 60 anos de seu pai. “Sim, é claro que sinto falta da minha família”, ela me diz, “mas a maior prioridade para todos nós é ficar em casa, não nos contagiar e não contagiar outras pessoas. Com toda a tristeza e todo o grande… saudade, é a única coisa que podemos fazer agora.”

Maya, sua filha de três anos, não entende o que está acontecendo. “Para ela, ela está de férias da pré-escola.” Sua filha mais velha, Alma, está mais consciente. “Mas falamos sobre isso de uma maneira segura”, disse Gadot. “Tentamos evitar assistir as notícias quando elas estão por perto. Então, agora, essa é a situação. Estamos tentando aproveitar o tempo de qualidade que temos. As meninas não estão preocupadas. Eles se sentem seguras. Eu acho que as meninas vão crescer, sendo capazes de dizer aos filhos que elas viveram os tempos da corona. Mas estamos realmente tentando… como você chama isso? Hum… há um ditado. Deixe-me ver se consigo entender… Hum… é como… algo disfarçado?” Ela faz uma pausa por um momento e, no momento em que estou prestes a ajudá-la, encontra as palavras certas sozinha: “Bênção disfarçada”.

 

Confira todas as fotos do ensaio em nossa galeria:

Inicio > Scans de revistas | Magazine Scans > 2020 > Maio – Vogue

Inicio > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > 2020 > Annie Leibovitz – Vogue

 

Fonte | Tradução e adaptação: Gal Gadot Brasil

Gal Gadot conversou com a revista People onde ela falou sobre bem-estar, alimentação saudável e o cuidado que ela tem com o meio-ambiente. Confira abaixo!

Por Ale Russian

Gal Gadot prioriza sustentabilidade e o não conforto quando se trata de promover seus filmes.

A atriz da Mulher-Maravilha 1984, que recentemente se tornou o novo rosto da Smartwater, tenta permanecer consciente do meio ambiente quando precisa viajar pelo mundo promovendo seus filmes de sucesso. É parte de como ela tenta modelar uma vida melhor e mais saudável para as filhas Alma, 8, e Maya, 2.

“Eu acho que ser um modelo e realmente fazer as coisas e mostrar a eles como deve ser feito é uma grande coisa, porque está sendo incorporado à vida deles”, ela disse à PEOPLE na última edição, já nas bancas. “Portanto, garantimos a reciclagem e não usamos sacolas plásticas, nem viajamos com jatos [particulares] quando divulgamos filmes para a imprensa, garantimos o máximo que podemos de volta ao mundo em que estamos morando.”

Gadot, 34 anos, diz que tudo faz parte de sua constante luta para trazer bons hábitos para sua casa com o marido Jaron Varsano, 45, enquanto ela equilibra trabalho e maternidade.

“Eu sempre tento encontrar equilíbrio na minha vida e acho que ser mãe e mulher que trabalha e viajar pelo mundo – é uma luta”, diz ela.

Continua a mãe de duas meninas: “Mas fazemos isso nas coisas simples, nas pequenas. Como quando coloco minhas filhas na cama, eu uso aplicativos de meditação guiada e elas dormem. Elas adormecem assim, o que é ótimo.”

Gadot também tenta dar o exemplo e manter um estilo de vida saudável e ativo como modelo para suas filhas.

“Somos todos muito ativos. Meu marido é ativo, minhas filhas são como fogos de artifício”, diz ela. “E nós comemos saudável em casa. Eu acho que mais do que tudo, quando se trata de crianças, é mostrar a elas como fazer isso, em vez de falar sobre isso. Então, tentamos ser o máximo saudável possível.”

A própria Gadot mantém uma rotina saudável de exercícios e mantém-se em forma enquanto treina para papéis de ação pesada como em Mulher-Maravilha.

“Minha rotina de exercícios muda – é uma coisa no meu dia-a-dia e é uma coisa totalmente diferente quando se trabalha para um papel como em Mulher-Maravilha”, explica ela.

“No meu dia-a-dia, me certifico de trabalhar o máximo que posso, pelo menos quatro vezes por semana. Faço caminhadas agora que estamos voltando para Los Angeles e o clima está ótimo, e gosto de estar lá fora.”

 

Fonte | Tradução e adaptação: Gal Gadot Brasil

Gal Gadot fala sobre Mulher-Maravilha, abuso sexual, feminismo e mais em entrevista para a revista Desert. Confira abaixo!

Gal Gadot encontra uma voz poderosa ao navegar a jornada da Mulher-Maravilha até Zeitgeist (Termo alemão cuja tradução significa espírito da época, espírito do tempo ou sinal dos tempos. O Zeitgeist significa, em suma, o conjunto do clima intelectual e cultural do mundo).

Gal Gadot tornou-se um rosto do movimento das mulheres, enquanto Mulher-Maravilha tornou-se o filme narrativo vivo de maior bilheteria dirigido por uma mulher.

Em algum lugar entre a má conduta sexual de Roger Ailes, Bill O’Reilly e Bill Cosby, e as acusações de abuso sexual contra Harvey Weinstein, Matt Lauer e Kevin Spacey, Gal Gadot, como Mulher-Maravilha, se tornou um símbolo em Hollywood de uma evolução social.

Uma guerreira amazônica com origens de quadrinhos não pode ser creditada com a mudança da cultura do abuso e do privilégio masculino com um flash de raios saindo de um par de braceletes mágicos. Mas, ao mesmo tempo, os frequentadores de filmes estavam reunidos para ver a deusa da verdade empunhar a espada e criar o escudo para proteger as pessoas indefesas do mal, as mulheres estavam cada vez mais capacitadas para contar suas histórias e a sociedade estava de repente ouvindo.

Gadot, ex-soldado israelense e concorrente do Miss Universo, acredita que as mulheres agora têm maiores oportunidades do que nunca para perceber seu potencial.

“Eu acho que, certamente, há muito mais espaço para as mulheres assumirem posições poderosas“, disse ela em uma entrevista por telefone de Los Angeles, onde ela tem uma segunda casa. “Eu ainda não acho que as mulheres obtêm as oportunidades iguais os homens fazem. Muitas pessoas acham que o feminismo é sobre odiar os homens, e não é. Eu acho que existem homens incríveis. Eu sou casada com um. [Mas] Eu acho que há mais espaço para as mulheres poderosas”.

Na interface do cinema de quadrinhos e da vida real, Mulher-Maravilha é um sinal na fronteira do dogma (crença ou doutrina estabelecida de uma religião, ideologia ou qualquer tipo de organização) e da imaginação e Gadot é a primeira heroína feminina do cinema e uma defensora feminina emergente. No dia 2 de janeiro, o Festival Internacional de Cinema de Palm Springs apresentará o prêmio Rising Star para Gadot (pronunciado Ga-dote), como se fosse fornecer uma metáfora para os tempos – pagamento desigual, má conduta sexual e um teto de vidro teimoso.

“Por um bom tempo”, diz Charles Roven, um co-produtor de Mulher-Maravilha de 68 anos, “você não poderia fazer um filme que estrelasse uma mulher como super-herói”. Agora, ele diz: “Mulher-Maravilha é importante.”

“Se Mulher-Maravilha foi parcialmente responsável por esse despertar, se você quiser, ou ela se tornou popular porque isso estava acontecendo, provavelmente é um pouco de ambos”, disse Roven, cujos três co-produtores incluem Zack Snyder, que introduziu Gadot como Mulher-Maravilha em Batman vs Superman e, mais recentemente, a dirigiu em Liga da Justiça.

“Nós certamente estávamos nos movendo nessa direção”, acrescentou Roven. “Mesmo antes de Mulher-Maravilha ter saído, você teve toda essa questão de mais e mais atrizes que atingiram um certo nível de popularidade exigindo um pagamento equivalente, e começaram a receber. Quando Mulher-Maravilha estava no ar [na televisão] com Lynda Carter, foi um grande show de sucesso, e você teve outros shows de sucesso com as mulheres que os estrelaram ao longo dos anos. Mas, certamente estamos em um momento agora onde é mais prevalente do que nunca. Mulher-Maravilha tornou-se parte do zeitgeist*. Foi mais que apenas um sucesso. Cativou o mundo”.

Mulher-Maravilha, lançado no dia 2 de junho, tornou-se o filme narrativo vivo de maior bilheteria já dirigido por uma mulher e essa diretora, Patty Jenkins, ajudou a moldar a personagem para o público de hoje. Carter, que interpretou a Mulher-Maravilha / Princesa Diana na televisão no final da década de 70, disse ao The Desert Sun que Jenkins fez o personagem mais sobre “intelecto e atitude” do que a heroína que ela interpretou sob a orientação de dois produtores masculinos.

“O que as mulheres adicionam em uma conversa ampla é um ponto de vista”, disse Carter no verão passado, antes de uma viagem à Comic Con Palm Springs. “Eu achei [Gadot] magnífica nisso. Ela ganhou todas os ritmos. Mas, em um sentido maior, Patty obteve a personagem”.

Gadot também creditou Jenkins por ajudá-la a desenvolver sua personagem.

“Patty Jenkins teve uma visão incrível e surpreendente sobre a Mulher-Maravilha”, disse Gadot, cujo principal lar ainda está em Israel. “Eu fui lançada por Zack Snyder, que tinha uma visão sobre a Mulher-Maravilha, mas não conseguimos explorá-la muito porque acabamos de apresentá-la em Batman vs Superman. Quando filmamos Mulher-Maravilha, isso foi a minha primeira vez a trabalhar e realmente explorar a personagem. Patty e eu sentimos que esse é um personagem tão único e queríamos espalhar algo inspirador com sua história. Eu acho que a maneira como Patty conduziu todo o personagem e o filme em si é simplesmente incrível para mim. Foi uma experiência incrível.”

 

A HISTÓRIA POR TRÁS

Gadot, de 32 anos, disse que pesquisou as origens da Mulher-Maravilha.

“Eu percebi que havia tanto material sobre esse personagem e muito legado atrás dela que você não pode agarrar tudo”, disse ela. “Para mim, eu tentei tirar o melhor do personagem que eu acho crucial, que é o fato de que ela tem a força de uma deusa, mas o coração de um ser humano. Ela é calorosa. Procuro sempre encontrar a imperfeição de um personagem [e] tentei encontrar a imperfeição da Mulher-Maravilha. Ela é vulnerável e confusa, mas também é muito sincera e aberta ao mundo, o que eu amo”.

 

REINVENÇÃO

Roven disse que os personagens do filme e os quadrinhos tiveram múltiplas influências.

“Vamos começar com Marston”, disse ele. “Ele obviamente criou o primeiro super-herói feminino. Então, essa é uma declaração em si mesma. Talvez ele fosse um visionário naquela época simplesmente porque ele criou o primeiro. Mas, à medida que o personagem progrediu de geração em geração, cada escritor que assume o quadrinho, ou cada equipe de redação, eles estão sempre evoluindo. É o objetivo que todos tentam fazer – reinventar esses personagens até certo ponto para torná-los relevantes hoje. Eu não acho que ela tenha sido reinventada completamente para o hoje, mas não teríamos o personagem para fazer algo contemporâneo se ela não tivesse algumas qualidades contemporâneas desde a época em que Marston a inventou”.

O que distingue Mulher-Maravilha de outros super-heróis, além de seu gênero, disse Roven, é a motivação dela para ser um herói.

“A maioria dos super-heróis, eles não começam com uma agenda de ser um super-herói”, disse Roven, que também produziu os filmes Batman: O Cavaleiro das Trevas e Homem de Aço. “Algo em sua vida e em seu passado os motiva a fazer isso e geralmente sai de algum tipo de tragédia, como acontece com Superman e Bruce Wayne, ou algum acidente que aconteceu, como Cyborg ou Flash. Mas, com a Mulher-Maravilha, ela é criada por sua rainha das Amazonas. Essa é a mãe dela. Ela não sabe que tem um pai que é um deus. Ela descobre isso. Mas, desde que é pequena, ela quer ser uma heroína. Ela não sabe que ela é um heroína no sentido de que ela tem poderes piedosos, mas ela quer seguir os passos de sua mãe, que resgatou as Amazonas em uma revolta contra o homem quando estavam sob a influência de Ares, e sua tia, que também foi uma grande guerreira.”

“A jornada de herói para ela é a de persegui-la, ao contrário de ser atraída para ela ou, relutantemente, concordar em acompanhar isso. Isso a torna única. Ela também vem de um lugar que, ela tem muita empatia com a situação de suas irmãs amazônicas. Ela acha que são suas irmãs amazônicas e, de certo modo, todas as Amazonas são irmãs. Mas ela também tem muita empatia com a humanidade. Essas coisas foram acentuadas quando o roteiro evoluiu sob a direção de Patty, e foi algo que Gal abraçou prontamente”.

 

PASSADO DE GAL GADOT

Gadot cresceu em uma cidade central de Israel, cujo nome se traduz para Fountainhead. Ela queria ser uma dançarina e uma coreógrafa, e inicialmente rejeitou as ofertas para se tornar uma modelo. Os pais dela queriam que ela fosse à uma universidade e estudasse relações internacionais, o que ela fez. Mas, em primeiro lugar, ela ganhou o concurso de Miss Israel, o que levou a competir o Miss Universo, e então completou um período de dois anos obrigatório nas forças armadas, onde ela se tornou uma instrutora de combate. Quando ela conseguiu o papel de Mulher-Maravilha em Batman vs Superman, ela disse que seus pais estavam “super animados”.

Ela não pensou em se tornar um modelo como a estrela de Mulher-Maravilha, mas percebeu que ela começou a receber um feedback sobre seu desempenho.

“No final do dia, sou uma atriz e tenho que construir o personagem e o enredo da história“, disse Gadot. “Você não pode filmar um filme pensando que você vai ser um modelo a seguir. Mas, lentamente, cresce em você quando você recebe a reação. Você percebe o quanto esse personagem significa para tantas pessoas”.

Seus pais eram ambos nativos bem educados de Israel. Sua mãe trabalhou como professora e seu pai era engenheiro. Ela foi criada como uma feminista.

“Eu venho de uma cultura de mulheres fortes”, disse ela. “[Há] muita igualdade em nossa família. As mulheres também têm carreiras, e os homens estão muito envolvidos na vida familiar. Foi uma espécie de “não é problema” para mim. Mas eu acho que todos devem ser feministas e quem não é feminista é sexista porque o feminismo para mim é tudo sobre liberdade de escolha e igualdade de oportunidades”.

Gadot foi colocada em destaque no momento em que Mulher-Maravilha se tornou um dos maiores sucessos do ano. Além de ter a chance de apresentar o Saturday Night Live, ela foi a única que a mídia se aproximou quando um dos investidores Mulher-Maravilha e Liga da Justiça foi acusado de má conduta sexual. Ela se opôs a seu envolvimento contínuo nas sequências, mas também disse que todos os envolvidos com os projetos desejavam o mesmo.

Roven não ficou surpreso com a forma como ela se comportou como foco da mídia.

“Aqui está uma das coisas incríveis sobre ela”, disse ele. “Quem ela é hoje, é quem ela era antes que ela tivesse a notoriedade. Ela está sendo mais ouvida porque ela tem a notoriedade. Gal tem muitos dos atributos da Mulher-Maravilha e ela os fez entrar no personagem. Quando a testávamos para Batman vs Superman, ela testou entre outras cinco atrizes maravilhosas e ganhou o papel porque ela apenas tinha essa [coisa]. Ela certamente se tornou a personagem, mas também era a personagem de muitas maneiras”.

Carter fala sobre como há uma irmandade entre Gadot e ela, e “qualquer garotinha que interpretou a Mulher-Maravilha” no Halloween. Mas Roven diz que Gadot está se elevando nesse momento da história, onde as mulheres estão sendo ouvidas por questões antigas.

“Eu acho que é realmente ótimo que ela não só tenha se tornado extremamente bem sucedida no campo que ela escolheu”, disse ele, “mas também que ela esteja usando esse sucesso para falar com seu coração e sua mente”.

Gadot está ciente da evolução social que está acontecendo ao seu redor, embora reconheça que ela é jovem e de um país diferente.

“Eu tento pensar se alguma vez na historia do passado – 100 anos ou mais – que as mulheres saíam e falavam”, disse ela. “Eu acho que isso é história, o que está acontecendo agora, com todos os homens e mulheres saindo e expressando tudo o que aconteceu com eles que é errado e inaceitável. Eu certamente espero que isso não seja apenas uma tendência, mas o início de uma verdadeira mudança”.

 

Inicio > Scans de revistas | Magazine Scans > 2018 > Janeiro – Desert

 

Fonte | Tradução e adaptação – Gal Gadot Brasil

Gal Gadot conquistou mais um grande momento em 2018! A atriz e modelo estampa a capa especial da revista Vanity Fair, na edição de março, chamada The 2018 Vanity Fair Hollywood Portfolio: 12 Extraordinary Stars, One Momentous Year (Portfólio de Hollywood da Vanity Fair: 12 Estrelas Extraordinárias, Um Ano Momentâneo).

O portfólio deste ano foi preparado em Los Angeles e Nova York, e fotografado por Annie Leibovitz, integrando 12 dos atores mais emblemáticos do cinema e da TV em 2018. Os filmes e programas de TV representados pelos atores do Portfolio de Hollywood deste ano, que pela primeira vez oferece um olhar pelos bastidores, levaram o movimento #MeToo como inspiração, mostrando mulheres fortes em papéis de liderança, como homens fortes que as apoiam.

GAL GADOT, atriz e modelo.
13 filmes, incluindo Mulher-Maravilha (2017).

Fisicamente, a atriz, a modelo e a antiga treinadora de combate das Forças de Defesa de Israel, Gal Gadot, trouxeram todos os atributos certos – imponente altura e beleza, atletismo, glamour de deusa – para a tarefa de interpretar a Princesa Diana, filha de Hippolyta, mais conhecida em todo a vizinhança como Mulher-Maravilha. Mas foi um poder secreto de Gadot que ganhou o dia: o encanto. Em uma temporada de grande sucesso com pouca diversão, o espírito exuberante de Gadot (e a direção de Patty Jenkins) redimiram a franquia da DC. O resto da Liga da Justiça deveria entregar as cuecas.

 

Inicio > Scans de revistas | Magazine Scans > 2018 > Março – Vanity Fair: 12 Extraordinary Stars

Inicio > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > 2018 > Annie Leibovitz – Vanity Fair

Inicio > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > Bastidores | BTS > 2018 > Vanity Fair

 

Assistam os bastidores dessa edição:

Agenda