Bem-vindos ao Gal Gadot Brasil, sua fonte brasileira de notícias sobre a atriz Gal Gadot. Aqui você encontrará uma variedade de notícias traduzidas, fotos, informações sobre projetos e muito mais. Não deixe de nos acompanhar nas redes sociais para continuar se mantendo atualizado. Visite também a nossa galeria de fotos para ter acesso a imagens em alta qualidade da Gal. Somos um site sem fins lucrativos, não-oficial e sem qualquer afiliação à Gal ou qualquer pessoa associada a ela. Todos os vídeos e fotos pertencem aos seus respectivos donos, a não ser que seja informado o contrário. Agradecemos a sua visita e esperamos que volte sempre.

O site Los Angeles Times disponibilizou uma entrevista, cheia de elogios, de Gal e Patty, além de uma sessão fotográfica maravilhosa das duas. Confira abaixo!

Quando Gal Gadot e Patty Jenkins se juntam, é puro amor — mas elas merecem.

Mulher-Maravilha está prestes a corar.

“Há uma inteligência sem esforço, e humor, e prazer”, diz a diretora Patty Jenkins, de Mulher-Maravilha, estrelado por Gal Gadot, que está sentada ao lado dela no sofá. “Você atingiu todas as notas de força, poder e cordialidade, mas há essa outra deliciosa qualidade que a Mulher-Maravilha certa pode trazer, que é ela estar confortável em sua própria pele, então ela pode ser engraçada, rápida e brincalhona; Esse espírito leve e maravilhoso de uma pessoa generosa. Isso me faz querer vê-la o dia todo e estar com ela e ser como ela.”

Então, olhando para o estilo de luta sem glamour da heroína:

“Uma das minhas coisas favoritas sobre Gal é -“

“- que ela corre muito engraçada”, interrompe Gadot, rindo.

“- é que você parece fantástica, não importa o que faça! Eu não estava saindo da minha direção para fazê-la parecer boa ou ruim, eu conseguia entender a atuação”.

Com algum constrangimento, a atriz olha para o entrevistador, que não vai contestar o assunto.

“Ela é super talentosa”, diz Gadot de sua diretora, se recuperando. “Quando nos conhecemos pela primeira vez, comemos um sushi muito bom, estávamos falando sobre a vida e o fato de possuímos essa ferramenta – o título de Mulher-Maravilha e tantas pessoas se preocupavam tanto com esse personagem, e como nós teríamos muita exposição. E ela não queria apenas fazer um filme divertido, queria que ele fizesse uma declaração. E nós vivemos em um mundo tão cínico agora, onde as piadas são com um piscar de olhos, queríamos dizer algo verdadeiro e real e muito necessário agora”.

“E ela é uma pessoa maravilhosa”, diz Gadot rindo, tocando o ombro de Jenkins, “e eu te amo tanto”. As duas riem, se abraçando.

Sim, uma conversa com Jenkins e Gadot é uma grande festa de amor. Para ser justo, estas duas ganharam uma volta da vitória.

Há muitas razões pelas quais a amada Amazona levou 75 anos para chegar ao cinema, mas numa época em que os orçamentos de US$ 150 milhões são comuns, é difícil explicar educadamente porque nenhuma mulher recebeu as rédeas de um sucesso até agora. Jenkins é a primeira e a primeira diretora feminina a ter um filme de ação live action com mais de US$ 800 milhões arrecadados (pelo menos US$ 200 milhões a mais do que o recorde anterior Mamma Mia!), entre seus muitos registros de bilheteria.

E, enquanto os filmes anteriores do Universo de Liga da Justiça tinham em média uma pontuação no Rotten Tomatoes equivalente a uma batida em um beco escuro (36%), Mulher-Maravilha- é um dos filmes mais revistos do ano (92%). Dizer que foi feito com um toque mais leve é como comparar o shiatsu com a carícia de uma bigorna. Mas não era apenas o humor e a ausência de filtros verdes escuros: a própria heroína representa um idealismo que não possui seus predecessores severos.

Jenkins diz: “Isso é algo que Gal e eu acreditamos – uma heroína que é durona e poderosa e todas essas coisas, mas também amorosa, pensativa e gentil”.

Gadot acrescenta: “Ela nunca viveu sob qualquer mentalidade social de que os homens são melhores ou mais fortes e as mulheres inferiores. Ninguém queria trazer uma personagem que estava pregando algo e zangada, mas ela é inconsciente nesta questão de gênero.”

“Muitas vezes, quando você vai ver filmes, a mulher forte é dura, fria e distante. Queríamos torná-la real. As mulheres sempre foram fortes e independentes, mas elas também foram calorosas e amorosas e gentis”.

Gadot cita a insistência de Jenkins na verdade emocional, mesmo nas cenas de luta. A diretora a dirigiu contra a raiva, fazer chutes e socos apenas significava um fim.

“Eu fiz alguns filmes de ação antes”, diz a estrela de vários filmes de Velozes e Furiosos, bem como Vizinhos Nada Secretos. “Esta foi a primeira vez que eu pude fazer a ação de maneira tão emocional”.

Jenkins nunca considerou o gênero como uma limitação à sua mensagem. “Eu só quero fazer coisas bonitas, grandes e poderosas que são divertidas e interessantes, mas que tenham um impacto na sua vida e podem mudar o mundo”, diz a diretora de seu plano de carreira. “Eu não acho que exista um gênero para o qual você não deveria apontar. Achava [em alguns anos] que os documentários eram as coisas mais emocionantes e incríveis, ou os filmes da Pixar eram a coisa mais incrível. Não há gênero que eu esteja fechada. Penso que a arte sempre foi assim – as coisas sérias são levadas mais a sério. Mas isso não significa que seja verdade, e não penso nisso assim”.

A positividade do filme pode ser um dos fatores que o separa de seus iguais e obtenha uma força na temporada de prêmios.

“Outro dia, em uma sessão de perguntas e respostas, no SAG um membro disse que sua sobrinha, ela perdeu suas duas pernas e acho que ela tem 7 anos, ela vê Mulher-Maravilha todos os dias e é assim que ela ganha poder e força”, diz Gadot. “É esmagador”.

Jenkins diz: “Todos têm uma Mulher-Maravilha dentro delas, sem olhar por gênero.”

“Quando eu estava no DGA, um cara que tinha uma espinha bífida e que estava em uma cadeira de rodas, ele disse: “Passei toda a minha juventude com uma camisola e estava nu, sendo cutucado e pressionado e sem controle… Quando ela tira seu manto e entra [no campo de batalha] com tão pouco – quão vulnerável ela era, e ainda tão forte…”

“Foi muito emocional para ele”.

Inicio > Ensaios Fotográficos | Photoshoots > 2017 > Jay L. Clendenin – Los Angeles Times

 

Fonte | Tradução e adaptação – Gal Gadot Brasil

Deixe um comentário!
Agenda

Velozes & Furiosos 5 as 00h40, no Telecine Action
Velozes & Furiosos 4 as 14h15, no Megapix
Liga da Justiça as 12h40, na HBO 2
Início das filmagens de Morte no Nilo em Londres