Bem-vindos ao Gal Gadot Brasil, sua fonte brasileira de notícias sobre a atriz Gal Gadot. Aqui você encontrará uma variedade de notícias traduzidas, fotos, informações sobre projetos e muito mais. Não deixe de nos acompanhar nas redes sociais para continuar se mantendo atualizado. Visite também a nossa galeria de fotos para ter acesso a imagens em alta qualidade da Gal. Somos um site sem fins lucrativos, não-oficial e sem qualquer afiliação à Gal ou qualquer pessoa associada a ela. Todos os vídeos e fotos pertencem aos seus respectivos donos, a não ser que seja informado o contrário. Agradecemos a sua visita e esperamos que volte sempre.

Na noite de ontem, Gal Gadot fez uma participação especial no 2021 Champions in Life Virtual Benefit Gala, evento anual que apoia os patinadores da Patinação Artística no Harlem enquanto homenageia os sucessos dos ex-alunos.

Gal Gadot mandou um recado para as patinadoras e apresentou a série documental da National Geographic, Impact with Gal Gadot.

 

Inicio > Capturas de Tela | Screencaps > Eventos e Aparições | Appearances & Events > 2021 > 22/04 | 2021 Champions in Life Virtual Benefit Gala

Gal Gadot participou da conferência de imprensa virtual de Impact With Gal Gadot, nova série documental na qual ela produziu para a National Geographic, onde falou sobre a sua importância.

Com seis episódios com cerca de 12 minutos cada, para a primeira temporada, a série foca em grupos de mulheres que tomam conta de suas vidas – gerenciando o medo, a tristeza, a pobreza e a ameaça da violência – de forma vitoriosa. São mulheres que começam pequenas, a partir de suas próprias experiências, para tornar a vida de outras pessoas melhor.

“O que o Impact mostra é que você pode começar com pequenas ações e, na verdade, ter um grande impacto”, diz ela, acrescentando: “Eu adoraria ter uma comunidade de benfeitores. Porque não importa onde estejamos no mundo, somos todos da raça humana e, essencialmente, todos nós sofremos de problemas muito semelhantes. E nós – a maioria – temos a maior parte do poder. Para mim, isso é algo que eu adoraria alcançar. Eu acho que o efeito cascata, o efeito dominó e o círculo poderoso que pode ser criado ao ouvir e ver essas histórias é muito, muito poderoso.”

Gal observa que o conceito da série foi inicialmente focado em histórias globais de mulheres. O segmento que a conquistou como produtora foi sobre uma professora de balé brasileira que inspira mulheres nas favelas mais perigosas do Rio de Janeiro por meio da dança. Mas então veio o COVID. “E então dissemos: ‘Oh, meu Deus, temos que voltar ao quadro de esboços e descobrir, tipo, histórias domésticas que serão fortes o suficiente para ter um efeito e inspirar as pessoas’”.

Ela disse que o número de histórias nos Estados Unidos era “alucinante”, “Foi literalmente muito difícil escolher qual você vai acabar contando e qual não vai”, e que uma segunda temporada vai pegar outras histórias de “efeito cascata” de todo o mundo.

“Eu sinto que estamos vivendo em uma era obscura, onde há tantos dedos culpados e pessoas que não assumem a responsabilidade por suas ações e estão apenas com raiva. Eu acho que é algo tão revigorante se cercar e ouvir e ver histórias que são impulsionadas pelo bem e boa vontade.”

“Você vê essas mulheres que vêm de origens muito, muito problemáticas – seja por discriminação ou desastres naturais – e seja o que for, elas não se deixam abater”, diz ela. “Eles realmente usam a dor contra a qual estão lutando para transformá-la em algo positivo. E isso pode afetar outras pessoas.” Prosseguindo com a série, ela diz que eles estão falando agora sobre ter um “sistema de caridade” criado em torno disso para ajudar essas mulheres a “manter o bem que fazem”.

O entrevistador também contou um momento fofo do bate-papo com a Gal, “estar perto de Gadot, mesmo em uma tela do zoom, é edificante. Quando mencionei a Gal que assisti à série com minha esposa, a atriz disse: ‘Bem, onde ela está? Não a esconda!’ Então, Therese se juntou a nós e tivemos a chance de trocar sorrisos e cumprimentar a Mulher-Maravilha juntos.”

Para Gal, as mulheres têm um lugar especial na cura. Mas os futuros homens também são importantes. “Tudo começa na educação. É por isso que estou tão feliz que meninas pequenas assistiram à Mulher-Maravilha e foram inspiradas por sua personagem. Mas também é muito importante para os meninos assistirem uma mulher forte que pode fazer coisas incríveis que eles podem admirar.”

Uma de suas maiores lutas pessoais como atriz no início foi “receber pagamento igual ao dos meus colegas de elenco”. No entanto, ela anseia por um dia em que o gênero “não seja mais um problema e não seja questionada apenas sobre as mulheres ou os homens e como estou sendo discriminada, mas é igual.”

Ao ser questionada sobre seus mentores e modelos de comportamento na vida real ela deu uma longa lista – todos, desde sua avó e sua mãe, uma professora que “criou a mim e minha irmã para sermos confiantes e nos amarmos e sonharmos e ousarmos”, até Maya Angelou, “eu era obcecada por ela”, Madonna, “ela quebrou tantos tetos de vidro”, para figuras políticas Hillary Clinton, Michelle Obama e Angela Merkel.

Gal também contou quem ela orientou em sua própria vida, e ela respondeu com humildade: “Bem, é difícil dizer porque, em hebraico, há um ditado: você não pode dizer coisas boas sobre si mesmo. Portanto, serei muito geral. Posso dizer que adoro gente – amo gente. Amo seres humanos. Sempre presumo o melhor das pessoas. E eu sou uma garota muito feminina”, diz ela com um sorriso. “Então, no meu DNA, no meu padrão na carreira, sempre que tenho a oportunidade de dar uma boa dica ou dar um conselho, ou de ajudar ou puxar alguém comigo, sempre faço isso. Mas eu me sinto desconfortável, você sabe, dando tapinhas nas minhas próprias costas.”

 

National Geographic Presents: Impact with Gal Gadot estreia na segunda-feira, 26 de abril no canal da National Geographic no YouTube. A série documental será lançada digitalmente (semanalmente) e, em seguida, culminará em um documentário especial de longa-metragem com estreia no canal National Geographic em 24 de junho, antes de ser transmitido globalmente em 142 países e 43 idiomas.

 

Com informações de PhilSTAR L!fe.

Gal Gadot estampa a capa da revista Angeleno, para qual concedeu uma entrevista onde falou sobre a série documental que produziu para a National Geographic, Impact with Gal Gadot. Confira a tradução abaixo!

Por Phebe Wahl

Tanto na tela como super-heroína, rainhas e outras protagonistas, e por trás das câmeras com uma nova e poderosa série documental, a celebração da resiliência de Gal Gadot é o superpoder que pode salvar a todos nós.

Crescendo como uma menina, fiquei hipnotizada pelo laço dourado da Mulher-Maravilha. A arma secreta do super-heroína transformou até mesmo os vilões mais ameaçadores, forçando-os a enfrentar suas próprias verdades honestas. Havia um grande poder de cura, expondo a humanidade vulnerável até mesmo dos personagens mais endurecidos. Imagine ser capaz de salvar o mundo revelando nossas verdades mais profundas? Agora isso é poder.

Determinada a não ser vítima de comparações clichês equiparando Gal Gadot à Mulher-Maravilha, tentei não me distrair com as armadilhas óbvias. Há a beleza sobrenatural e o físico claramente superior – quero dizer, ela é uma rainha da beleza que treinou com as forças especiais israelenses; ela nasceu basicamente para o papel. Dificilmente é um salto da imaginação ver como esta mulher pode facilmente se uni a seus companheiros de capa na tela, mas o poder de Gadot que realmente me desarma é sua profunda empatia.

“Eu me sinto muito grata por ter o amplo alcance que tenho com meus fãs e por interpretar a Mulher-Maravilha”, disse ela. “Eu queria usar esse poder e navegar para fazer mais bem no mundo.” Gadot fez parceria com a National Geographic em uma nova série chamada Impact with Gal Gadot. Os curtas documentários, com produção executiva de Gadot e seu marido, Jaron Varsano, com a cineasta vencedora do Oscar Vanessa Roth, contam a história inspiradora de seis mulheres notáveis em todo o mundo. Apesar das circunstâncias devastadoras, essas mulheres servem como faróis de esperança em suas comunidades.

No segundo episódio, sou uma poça de lágrimas. O episódio traça o perfil de uma terapeuta de trauma em Half Moon Bay, Califórnia, que perdeu sua irmã gêmea para a COVID-19 e está transformando seu luto em impacto ao curar mulheres por meio da terapia do surf. Mais tarde, fico profundamente comovida com a história de Tuany, uma jovem e resiliente professora de balé que ergue garotas através da dança (literalmente evitando tiroteios) no meio de uma das favelas mais perigosas do Rio de Janeiro. “Eu me apaixonei completamente por sua história e como essa mulher é especial”, explica Gadot. “Construímos todo um conceito em torno da história dela. A ideia era encontrar histórias sobre mulheres extraordinárias que, apesar de viverem em áreas repletas de violência, pobreza, trauma, discriminação, opressão ou desastres naturais, seja o que for, continuam focadas em fazer o bem… fazer uma mudança e ter um impacto positivo em suas comunidades ao se destacar, orientar, falar e liderar. Esse era o sonho – criar uma comunidade de pessoas que querem fazer o bem. Pode começar pequeno, mas tem um grande impacto”, disse ela. “Elas provam que qualquer pessoa pode fazer a diferença em sua comunidade, não importa quão difíceis sejam as circunstâncias – por meio de resiliência e paixão… o que atualmente é uma mensagem muito importante, à medida que o mundo se recupera deste ano difícil e busca sinais de esperança.”

Resiliência e esperança parecem ser fios entrelaçados na própria história de Gadot. “Acho que tudo começou com meu avô, um sobrevivente do Holocausto”, ela explica quando questionada sobre de onde obtém sua força característica. “Apesar de tudo que ele passou e apesar do fato de ter perdido toda a sua família, ele não tinha ódio, não tinha ódio nele. Ele queria retribuir e fazer boas ações. Isso realmente ficou comigo.”

Além de uma breve introdução, a voz de Gadot está decididamente ausente da série Impact, que foi uma escolha consciente. “Eu queria usar minha vantagem para lançar luz sobre suas histórias e fazer com que as pessoas começassem a conversa… mas no final do dia, eu não sou a heroína – elas são. Elas são as heroínas de suas histórias. Eu queria que todo essa série fosse completamente sobre elas, porque elas são muito especiais”, diz ela. “Essas mulheres são todas determinadas; todas elas entendem e têm uma visão clara de como as coisas deveriam ser em suas comunidades. Elas não têm medo de agir.”

E agir é exatamente o que Gadot deseja que todos nós façamos. “Espero que inspire as pessoas a fazerem o bem e agirem, porque pequenos atos podem essencialmente ter uma grande influência. Espero que isso faça com que as pessoas sintam que não estão sozinhas em suas lutas. E eu realmente espero que sejamos capazes de criar a comunidade para as pessoas realmente apoiarem umas às outras.”

Gadot diz que recentemente tem se concentrado em histórias femininas, como Impact em particular, com sua produtora, Pilot Wave. “Estou interessada em contar uma história do ponto de vista feminino porque é algo com o qual eu naturalmente me conecto”, diz ela. “Eu quero trazer coisas boas. Quero inspirar as pessoas a fazer o bem e trazer mais positividade para o mundo.”

Apesar de todos os seus esforços sérios e impactantes, Gadot também tem um lado mais alegre. “Eu definitivamente tenho um lado mais leve e gosto de um bom senso de humor”, diz ela, reconhecendo que parece gravitar em torno de papéis de poder feminino. A seguir, Gadot estrelará como a “maior ladra do mundo” no filme Red Notice da Netflix, como a protagonista do tão aguardado thriller de mistério, Morte no Nilo, de Agatha Christie, como a icônica Hedy Lamarr em uma minissérie na Apple TV+, e como a única Cleópatra em um próximo filme com a diretora de Mulher-Maravilha, Patty Jenkins. “Há alguma semelhança com os papéis pelos quais me sinto atraída. Não quer dizer que sou uma princesa guerreira ou a rainha do Egito ou qualquer coisa assim, mas me sinto atraída por mulheres poderosas que são fortes e têm uma visão forte sobre a vida. Mas, é claro, atrás da câmera, sou como qualquer outra pessoa. Sou uma pessoa normal que adora ser boba”, diz ela. “Eu realmente luto com o que muitas pessoas estão lutando – apenas com a vida e a criação dos filhos, do trabalho e da família.

Lá vai ela de novo com aquele laço desarmante de verdade. Como seu alter ego de super-herói, é a humanidade vulnerável que é a arma mais poderosa de Gadot. “Eu sempre digo que somos todos um e estamos todos conectados ao redor do mundo. Todos nós sofremos de coisas semelhantes e todos lidamos com problemas semelhantes, e acho que as pessoas estão procurando se conectar com outros humanos, especialmente depois deste ano que acabamos de vivenciar. As pessoas procuram inspiração para ver o que nos conecta uns aos outros e como podemos apoiar uns aos outros. Eu realmente espero que o Impact crie inspiração, mas também os atos de bondade que criarão o bem neste mundo.”

Inicio > Scans de revistas | Magazine Scans > 2021 > Angeleno

De acordo com o Deadline, Gal Gadot produzirá mais uma minissérie, dessa vez com National Geographic!

O projeto intitulado como #impact, será uma minissérie digital de seis partes que segue as histórias de mulheres jovens de todo o mundo que superam obstáculos e fazem coisas extraordinárias. Produzida pela eOne, Pilot Wave Motion Pictures e RPC Films, o pedido foi revelado pela presidente da National Geographic Global Television Networks, Courteney Monroe, durante a sessão da rede na turnê de imprensa da Winter TCA em Pasadena.

“Eu não conseguia pensar em um parceiro melhor do que Gal Gadot para uma série digital tão inspiradora sobre jovens destemidas que optam por não ser definidas pelas circunstâncias, mas por criar suas próprias histórias”, disse Monroe. “Essas histórias poderosas de resiliência e perseverança precisam ser contadas e, divulgando-as primeiro em nossas plataformas digitais e sociais, estamos trazendo a conscientização de suas realizações para um público mais amplo”.

Gal Gadot será uma das produtoras executivas ao lado de Jaron Varsano, pela Pilot Wave Motion Pictures. Vanessa Roth, da Freehold, será produtora executiva e diretora da série. Pela National Geographic, Ryan Harrington será produtor executivo, Alan Eyres será vice-presidente sênior de produção e desenvolvimento e Carolyn Bernstein será vice-presidente executiva e cuidará do conteúdo global com roteiro e documentário.

“Estou profundamente honrada em conscientizar essas jovens que são as verdadeiras heroínas entre nós”, acrescentou Gadot. “Ao fazer parceria com a National Geographic, estou aproveitando seu alcance global maciço e sem paralelo para garantir que #impact seja seguida pelo maior público possível. Juntos, estamos causando um verdadeiro impacto, compartilhando essas histórias incríveis que capacitarão, elevarão e inspirarão mulheres em todo o mundo.”

Gal usou seu Instagram para compartilhar a novidade!

“Eu realmente acredito que juntos estamos causando um verdadeiro impacto, compartilhando essas histórias incríveis que capacitarão, elevarão e inspirarão mulheres (e homens) em todo o mundo. #Impact @pilotwavemotionpictures”

 

Fonte | Tradução e adaptação: Gal Gadot Brasil

Gal Gadot produzirá, através de sua produtora, uma versão norte-americana do drama policial israelense Queens. Gal e Jaron Varsano serão os produtores executivos através da Pilot Wave, com a produção da Endemol Shine North America e da Endemol Shine Israel.

A Endemol Shine Israel está atualmente produzindo a segunda temporada de Queens, que fará sua estreia no canal HOT de Israel em 2020. A primeira temporada, lançada em outubro de 2018, foi a série mais assistida do ano na HOT. A série original foi criada por Gal Zaid, Dani Rosenberg, Ruth Zaid e Dror Nobelman e baseada em uma ideia de Limor Nahmias.

“Estamos muito animados para comemorar essas mulheres através da história de Queens”, disseram Gadot e Varsano. “Essas personagens complexas são cativantes, deliciosamente engraçadas e emocionais. É raro encontrar conteúdo que transmita personagens de maneira tão verdadeira, enquanto espelha a sociedade. Estamos ansiosos para trazer a história delas para o mundo e trabalhar com a equipe do Endemol Shine neste projeto.”

A versão israelense de Queens segue as mulheres da família Malka que se unem depois que todos os homens Malka são assassinados por um sindicato rival. Empurradas para uma vida que não escolheram ou necessariamente querem, as mulheres percebem que podem finalmente controlar seus próprios destinos e responder uma à outra e ao mundo ao seu redor como indivíduos completos, enquanto tentam permanecer vivas.

Juntamente com Gadot e Varsano, Nadav Hanin, Mirit Toovi e Guy Levy da da HOT, Amir Ganor, Gal Zaid, Ruth Zaid da Endemol Shine Israel, bem como Sharon Levy e Lisa Fahrenholt da North America também serão produtores da versão americana. As equipes estão preparando o projeto e planejam levá-lo ao mercado no início do ano.

“Queens é uma peça complexa sobre ser mulher em nossa idade, e tudo o que acompanha isso do ponto de vista da família, carreira e relacionamento”, disse Levy, presidente da Endemol Shine North America para televisão com e sem roteiro. “Observar essas mulheres tomar decisões ousadas, erros hilariantes e aprender a se apoiar em um cenário de suspense, dá a esse programa um espírito tão único que todos nós nos apaixonamos imediatamente. É gratificante ver uma série que trata mulheres com uma complexidade hábil, mostrando que nossas diferenças são os pontos fortes que nos unem”.

 

Com informações de Variety.

Mais um projeto pro currículo! Um ano após o Deadline falar pela primeira vez, a Showtime anunciou hoje que Gal Gadot irá estrelar e produzir uma série limitada sobre a atriz de cinema e inventora Hedy Lamarr.

“A vida de Hedy Lamarr foi realmente fascinante. Ela ficou na vanguarda de muitas questões que desafiam as mulheres e nossa sociedade hoje”, disse a presidente de entretenimento da Showtime, Jana Winograde. “Em Gal Gadot, descobrimos que a atriz transcendente retrata profundamente o complexo de Lamarr. E com os talentos premiados de Sarah Treem e Warren Littlefield, esta será uma série especial.”

Lamarr nasceu na Áustria e se tornou uma das mais famosas estrelas do cinema americano de sua geração, aparecendo em clássicos como Sansão e Dalila, Fruto Proibido e Pede-se um Marido. Lamarr também foi uma célebre inventora, creditada com a criação da tecnologia que viria a ser usada para desenvolver o Wi-Fi. Inicialmente, a invenção foi usada para guiar a comunicação de torpedos.

Sarah Treem, criadora e executora do aclamado drama da Showtime, The Affair, atuará como roteirista e produtora executiva do projeto. Warren Littlefield, produtor executivo de The Handmaid’s Tale e Fargo do Hulu, também será produtor executivo. Gal Gadot será umas das produtoras executivas da série limitada ao lado de seu marido e sócio, Jaron Varsano. Endeavor Content será o estúdio responsável.

 

Com informações de Deadline e Variety.

De acordo com a Variety, algumas fontes informaram que Gal Gadot está perto de fechar um acordo para estrelar e produzir uma série da Showtime baseada na vida e na carreira de Hedy Lamarr.

Lamarr nasceu na Áustria e se tornou uma das mais famosas estrelas de cinema americanas de sua geração, aparecendo em clássicos como ‘Samson e Delilah’, ‘Boom Town’ e ‘Come Live With Me’. Hedy Lamarr também foi uma célebre inventora, creditada com a criação de um sistema de comunicação que serviu como base para tecnologias como o Wi-Fi, o GPS e o Bluetooth.

Sarah Treem, criadora e executora do aclamado drama da Showtime, ‘The Affair’, atuaria como roteirista e produtora executiva do projeto. Warren Littlefield, produtor executivo de ‘The Handmaid’s Tale’ e ‘Fargo’, também seria produtor executivo. Junto com Gadot, seu marido, Jaron Varsano, também seria produtor executivo.

Caso o acordo seja fechado, essa será a primeira série de TV americana que Gal Gadot fará parte. Antes de ficar mundialmente conhecida como ‘Mulher-Maravilha’ nos cinemas, Gal atuou em três seriados israelenses.

A série ainda não foi formalmente escolhida, mas seria uma série limitada caso os negócios fossem finalizados. A Showtime se recusou a comentar.

 

Fonte | Tradução e adaptação – Gal Gadot Brasil

Gal Gadot compartilhou em seu perfil no Twitter que fará uma participação, dublando ela mesma, em um episódio da série Os Simpsons. Confira abaixo!

 

“Eu cresci assistindo Os Simpsons e agora eu estou gravando minha voz para um episódio! Fiquem ligados.”

A atriz aparecerá no episódio Bart’s Not Dead (Bart não está morto), na 30ª temporada, que estreará no segundo semestre de 2018.

Lembrando que, durante sua participação um painel da Rhode Island Comic Con em 2016, Gal Gadot respondeu uma pergunta de Millie Bobby Brown, onde disse que sua série favorita era Os Simpsons.

Agenda